O pastor evangélico e senador da república, Magno Malta (PR-ES), usou o plenário para se posicionar sobre o drama vivido pela pastora Bianca Toledo. Bianca usou as redes sociais na última terça feira (05) para compartilhar com seu público um problema pessoal e totalmente delicado. Segundo ela, o marido e também pastor evangélico, Felipe Garcia Heiderich, estaria abusando sexualmente do filho dela. A criança, que tem 5 anos de idade, teve seu nome e imagem preservados.

Revolta de Malta

O senador Magno Malta, além de amigo pessoal da família, foi o presidente da comissão especial de combate à pedofilia. Em sua fala, ele argumentou que, durante as operações presididas por ele, padres e pastores pedófilos foram presos, todos sob acusações de pedofilia e abuso sexual.

Publicidade
Publicidade

Malta retificou a fala,"pastores e padres, não, criminosos!" Ele acrescentou que homens como o pastor Felipe se aproveitam da posição sacerdotal que exercem, e se aproveitam da confiança que têm das famílias, e cometem crimes terríveis, contra a honra e a inocência das crianças e adolescentes, de um modo geral. Em sua fala, ele se mostra revoltado não apenas com o caso atual, mas com o fato desse tipo de #Crime ainda acontecer em nosso país.

Pena de morte

Malta lamenta que em nosso país a pena de morte não seja permitida. Ele deixa clara a sua opinião sob a pena a que o pastor Felipe Garcia, acusado de pedofilia, deveria ser submetido. "Meu desejo é que ele fosse condenado à morte; é uma pena que no Brasil não tenhamos isso."

Família

O senador disse ser um homem extremamente sensível, quando o assunto é o crime de pedofilia.

Publicidade

Ele afirmou, durante sua fala, que presidir essa comissão mudou sua vida. Quanto ao caso de Bianca Toledo, Malta e sua família são muito próximos à família da pastora, o que deu um toque bem pessoal ao caso. A aproximação que Malta tem com a família o sensibilizou ainda mais. 

Homossexualismo

Sobre o caso do rapaz ter assumido ser homossexual, Malta deixou claro que uma coisa não tem nada a ver com a outra, "Se ele é homossexual, é uma questão íntima dele, eu não quero e não irei debater isso, o assunto aqui é o crime de pedofilia".

Assista:

#Senado Federal