Recentemente, a presidente afastada Dilma Rousseff e sua equipe tiveram uma ideia mirabolante, arrecadar dinheiro pela internet através do "chowdfunding", um espécie de "vaquinha" online. A tática deu certo e ela arrecado mais de R$ 500 mil, dinheiro que pretende usar para viajar por todo o país para se defender contra o processo de impeachment que tramita pelo Senado. De avião fretado ou pela Força Aérea Brasileira, Dilma quer dizer aos populares que é vítima de um "golpe" e acredita que eles vão engolir o discurso. No entanto, quem não engoliu a "vaquinha" foi o Senador Ronaldo Caiado, eleito pelo Democratas de Goiás.

Ele entrou com um pedido nesta terça-feira, 05, na Procuradoria Geral da República.

Publicidade
Publicidade

O Congressista questiona se o ato proposto por Rousseff é ou não legal, especialmente depois que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) proibir o tipo de ação para campanhas eleitorais, que não deixa de ser o que ela faz neste momento, afinal, quer o voto do povo, mesmo que seja apenas de confiança e que esse não digite os fadados números de legendas nas urnas eletrônicas. 

A decisão de Dilma ocorreu depois da Justiça Federal do Rio Grande do Sul permitir que ela use os aviões da Força Aérea Brasileira (FAB), mas desde que pague cada centavo com tudo o que for gasto. Caiado defende que a "vaquinha" de Dilma tem motivos político-partidários". De acordo com ele, a arrecadação tem outro problema, impedir que se cheque quem está dando o dinheiro e qual a legalidade de tamanha verba. Sem a ajuda, Rousseff teria dificuldades para fazer a campanha com o "golpe".

Publicidade

Isso porque o Partido dos Trabalhadores está com verbas escassas depois de tantos escândalos de corrupção. Além de ter diversos líderes presos, os maiores empresários do país também estão prestando contas na Justiça. Essa prestação de contas, muitas vezes, tem envolvido multas milionárias. 

Caiado disse que o que Dilma está fazendo é gravíssimo. Ele quer que a Procuradoria tome uma decisão forte e questione a "vaquinha" no Supremo Tribunal Federal (STF).  #PT #Dilma Rousseff