O juiz federal Sérgio Moro pediu nesse fim de semana durante palestra realizada nos Estados Unidos que o povo apoie sua investigação. Ele alegou, segundo uma reportagem publicada nesta sexta-feira, 15, pela 'Folha de São Paulo', que só o povo brasileiro pode prevenir que estranhas "sabotagens" aconteçam na Lava-Jato. Durante manifestações realizadas em todo o país nesse ano, o profissional da #Justiça teve grande apoio de populares. No entanto, nessa semana, ele chegou a anunciar o que pode ser o fim de uma das maiores investigações de todos os tempos no território brasileiro. De acordo com Moro, pelo andar da carruagem, ele irá acabar com a #Lava Jato até o fim o ano.

Publicidade
Publicidade

O juiz explicou que o que motiva a dizer isso é que a maioria das apurações já terminou e que as condenações em sua instância também. Sérgio Moro argumenta que muitos dos políticos e empresários presos podem apelar ao Supremo Tribunal Federal (STF), que costuma ter uma andamento judicial bem mais lento. Quando esses processos chegarem à mais alta corte do país, eles não terão mais qualquer relação com o julgamento feito pelo homem que chegou a ganhar o título de uma das cem personalidades mais influentes de todo o planeta pela revista americana 'Time'. 

Nos Estados Unidos, Moro pediu que a opinião pública fique ao seu lado e disse que investigar políticos e empresários muito influentes é sempre muito difícil. Segundo ele, sem o apoio do povo seria impossível a Lava-Jato chegar onde chegou.

Publicidade

O profissional da Justiça ainda brincou revelando  que a Lava-Jato ajudou a fazer com que muitos brasileiros ficassem mais familiarizados com os processos judiciais. Moro fala que tem muita gente que já sabe mais nomes de Ministros do Supremo do que de jogadores de futebol da seleção brasileira masculina. 

De fato, o Brasil aparentemente poucas vezes se interessou tanto por política e pelo trabalho da Polícia Federal. O apoio dos brasileiros ficou evidente em protestos que chegaram a mobilizar milhões de pessoas por todo o Brasil.