O juiz federal Sérgio Moro, famoso por coordenar os trabalhos da Lava Jato, decidiu se manifestar contra um pedido feito pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva. Ao Supremo Tribunal Federal (STF), o ex-líder sindical tinha solicitado que as interceptações telefônicas contra ele fossem anuladas, argumentando que houve desvio de função. Moro desmentiu Lula e disse que sua defesa não tem qualquer consistência. Caberá agora à mais alta corte do país responder quem está certo e decidir se os grampos da Lava Jato vão ou não ser anulados. A corte já havia anulado o uso do áudio em que Lula conversa com a presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), sobre o termo de posse para assumir o Ministério da Casa Civil. 

O juiz Sérgio Moro precisou se explicar ao Supremo depois que um ministro da entidade, Ricardo Lewandowski, solicitou que ele se explicasse porque fez as gravações e logo em seguida as liberou para a imprensa.

Publicidade
Publicidade

O áudio entre o ex-presidente e Dilma, por exemplo, acabou sendo reproduzido pela imprensa horas depois de ser gravado. A notícia, na ocasião, acabou sendo dada com extremo alarde, surpreendendo muitas pessoas e a presidente afastada, que manteve para o dia seguinte a posse se seu companheiro político. A estranheza na posse do petista, no entanto, acabou fazendo com que inúmeras ações judiciais anulassem o termo de posse dado pela presidente, fazendo com que o ex-líder sindical jamais ficasse efetivamente em um dos Ministérios mais importantes do governo. 

Moro desmentiu Lula dizendo para Lewandowski em seu parecer enviado ao Supremo que em nenhum momento foram "grampeadas" pessoas que tem foro privilegiado. A gravação com Dilma, por exemplo, acabou acontecendo por pura coincidência. Um dos motivos que fez com que o áudio não pudesse ser usado é o fato da Justiça ter impedido que as gravações continuassem.

Publicidade

O áudio com a presidente foi feito depois que a interceptação já deveria ter acabado. Como existe uma demora para as operadoras fazerem o serviço, a gravação acabou sendo feita.  #Crime