A presidente afastada Dilma Rousseff viajou na noite desta sexta-feira, 15, para sua casa, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Na região, ela tenta o alento da filha Paula, do genro e de dois netos. Cada vez mais sozinha, a petista foi flagrada cabisbaixa no que pode ser o seu último mês com o nome de "presidente". A votação contra ela acontecerá no final de agosto no Senado Federal. Para que haja a deposição são necessários pelo menos 54 votos. No dia 12 de maio, quando houve o afastamento são 55 votos. 

Enquanto Dilma chora o drama de estar deixando o poder, o presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, ri dos bons ventos que já começam a aparecer no seu governo.

Publicidade
Publicidade

Uma pesquisa feita pela Confederação Nacional da Indústria, a CNI, mostra que os índices de popularidade de Temer começam a disparar e já são melhores que o de Dilma. Até então, o governo temia de como a população reagiria à troca no poder, até porque os dados ruins na economia não são contornados do dia para a noite. O número de brasileiros que acha o governo de Temer bom ou ótimo subiu mais de 15%, indo de 13 para 15%. 

O número de pessoas que acha o peemedebista com uma gestão regular também cresceu, indo de 35% para 39%. Ou seja, os dados positivos já chegam a 54%. Obviamente que os números poderiam aumentar ainda mais, mas sabendo de como as coisas vão em todo o país, até que os dados são comemorados.  Lembrando que a rejeição de Dilma chegou a patamares de praticamente 80%. Hoje a rejeição de Temer mostra que o presidente afastado é rejeitado por 46%. 

Ainda não dá para dizer que ele seja um cara popular, mas devido as circunstâncias com que tudo aconteceu, até que já dá para o gasto.

Publicidade

O que explica essa elevação é o fato de Temer não ter feito o que Dilma o acusou, que é que ele retire os benefícios sociais dos mais pobres, como o 'Bolsa Família', quando na verdade, ele deu um aumento até superior do que ela havia proposto. O peemedebista acredita que pode melhorar esses índices, caso consiga melhorar a economia.  #PT #Dilma Rousseff