O governo federal decidiu cancelar diversas atrações que se apresentariam durante os jogos olímpicos do Rio de Janeiro. A informação foi confirmada neste sábado, 23, pelo jornal carioca 'O Globo'. A celebração esportiva já vai começar com diversas coisas não cumpridas, como a não limpeza da Baía de Guanabara. O jornal lembra que em maio o governo chegou a anunciar que seriam realizados mais de dois mil espetáculos durante a Olimpíada. O anúncio foi feito pelo então Ministro da Cultura, Juca Ferreira.

Com a saída da presidente afastada Dilma Rousseff do poder, a pasta da Cultura ganhou outro nome, Marcelo Calero. As coisas com ele e com Temer prometem mudar o curso dos festivais que aconteceriam na cidade do Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade

 Ao todo, seriam mais de 80 locais de apresentações e dez mil artistas de todo o país que "alegrariam" os cariocas. O dinheiro gasto seria de R$ 85 milhões.  Não foi anunciado nenhum nome de artista até o momento. 

O Ministério da Cultura garante que todas as atrações que já haviam passado por editais continuarão a existir, mas aquelas que não necessitavam passarão por adaptações. Apesar disso, a entidade garante que existiram movimentos culturais nos jogos. No entanto, não especificou quais e quantos. A mudança acontece em meio ao caos que pode provocar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Lei Rouanet, que já começa a tramitar na Câmara dos deputados. O Ministro Marcelo Calero chegou a solicitar que artistas não fossem criminalizados, mas que os culpados fossem punidos. 

A mudança no calendário olímpico também acontece depois de duas polêmicas.

Publicidade

Uma envolveu a cantora Anitta. O Comitê Olímpico Internacional confirmou a presença dela na Abertura dos jogos Olímpicos. A segunda foi com MC Biel. Ele chegou a ser confirmado pela prefeitura do Rio de Janeiro para fazer um show no encerramento dos jogos, mas após a polêmica do assédio sexual com uma jornalista do Portal IG, sua presença foi cancelada. Ele preferiu não comentar o cancelamento com a imprensa. #Michel Temer #PMDB