Nessa semana, houve grande repercussão das reclamações de militares que pertencem à Força Nacional de Segurança e que estão trabalhando no Rio de Janeiro para as Olimpíadas. O excesso de trabalho, o atraso nos pagamentos das diárias, além das más condições de hospedagem em condomínios recém-inaugurados do 'Minha Casa, Minha Vida', mas que tem inúmeras infiltrações são apenas algumas delas. O presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, não gostou de saber o que estava acontecendo e decidiu tomar uma decisão forte e surpreendente.

De acordo com uma reportagem publicada nesta sexta-feira, 15, pelo 'Diário do Poder', o #Governo federal decidiu aumentar em até 150% o valor das diárias máximas dos soldados.

Publicidade
Publicidade

A informação já estaria no 'Diário Oficial da União', que ganhou uma edição extra para dar conta da urgência da mudança, lembrando que faltam pouco mais de 20 dias para o início dos jogos olímpicos. Além dos agentes da Força Nacional, outros servidores federais também receberão o benefício. As diárias serão pagar ente os dias 24 de julho e 22 de agosto. 

Veja o que muda nos valores a serem pagos aos soldados que cuidam das Olimpíadas

Com isso, o valor máximo que era de R$ 220 passará a ser R$ 550. Lembrando que esse é o valor máximo. Muitos soldados devem receber um valor menor. A maioria dos profissionais da Força Nacional estão hospedados em um condomínio do 'Minha Casa, Minha Vida', localizado no 'Gardênia Azul', na Zona Oeste. A área seria dominada por milicianos. Os militares precisam obedecer regras rígidas dos criminosos e não podem, por exemplo,  sequer instalar internet no local. 

Irritados, eles compartilharam imagens que mostram até falta de camas nos alojamentos.

Publicidade

Mesmo os apartamentos do governo sendo novos eles possuem enormes problemas, como infiltrações e pisos quebrados. Os militares também não podem andar sozinhos pela região e teriam sido orientados a não olharem muito para as mulheres do bairro. Eles até brincam com a situação, que provocou revolta online.  #Crise-de-governo