Jihad Ahmad Diyab, de 34 anos, é um ex-presidiário de Guantánamo e está foragido há 2 semanas. Conforme informações divulgadas, ele estaria portando um passaporte falso, usa muletas e não fala português.

A companhia aérea Avianca emitiu um comunicado de alerta informando a possível fuga de um terrorista sírio com destino ao Brasil. O alerta é um procedimento da companhia, conforme informações recebidas pela divisão de antiterrorismo da PF.

O seu passaporte original é emitido pelo país que o acolheu, porém, estaria vindo para o Brasil, possivelmente, com passaporte  de origem marroquina, jordaniana ou síria, com emissão em janeiro de 2016.

Publicidade
Publicidade

A prisão de Guantánamo fica em Cuba e pertence aos Estados Unidos. Foi criada para abrigar suspeitos de práticas terroristas, em 2001, logo após o atentado às Torres Gêmeas em Nova York. 

Jihad refugiou-se em Montevidéu, no Uruguai, em 2014. Juntamente com ele, outros 5 cinco ex-presos negociaram a sua entrada no país. 

O Uruguai não aceitou as condições impostas pelos Estados Unidos e justificou que os receberiam como refugiados. Como o estatuto do refugiado deste país permite a saída do mesmo quando ele quiser, ele não está violando as leis uruguaias.

O sírio, há algum tempo, mostrou simpatia pelo grupo radical islâmico Al-Qaeda, autor do atentado terrorista em Nova York, durante uma entrevista .

Não é a primeira vez que Jihad tenta entrar no Brasil, esta seria, portanto, a sua sexta tentativa.

Publicidade

Porém, ele vem sendo barrado por constar no banco de dados internacional como terrorista. Sua última tentativa de entrar no país foi no dia 17 de junho, pela fronteira de Chuí, enquanto celebrava o Ramadã.

A Polícia Federal ainda não se manifestou a respeito do caso. Porém, a Avianca confirmou ao jornal Estadão o fato e informou que está disponível para colaborar com as autoridades brasileiras.

Na ocasião passada, o Ministro do Interior do Uruguai, Eduardo Bonomi, informou que, caso o Brasil não o recebesse legalmente, poderia deportá-lo para o Uruguai. #Terrorismo #Casos de polícia