A travesti conhecida como Gabi Souza, de apenas 22 anos, foi presa acusada de ameaçar e extorquir clientes que faziam programa com ela.

Gabi colecionava uma lista com vários clientes, que conseguiu ao longo do tempo cativar. Muito sexy, ela esbanjava beleza, e atraia os homens com várias fotos sensuais que postava nas redes sociais.

De acordo com o R7, ela combinava os valores com os clientes, que iam até o local marcado por ela. Quando estavam juntos, ela começava a cobrar valores a mais para que eles pudessem fazer certos tipos de desejos sexuais com ela. No final do programa, o valor cobrado era muito mais alto que combinado.

Publicidade
Publicidade

Os clientes, que nem sempre tinham dinheiro para pagar, acabavam deixando alguns documentos pessoais como garantia. Alguns diziam que voltariam mais tarde para pegar os documentos, e acertar o restante da dívida. Mas isso nem sempre acontecia.

Revoltada, a travesti resolveu cobrar a dívida e se vingar deles

Ela fazia buscas no Facebook e descobria os perfis dos devedores. Depois, entrava em contato pela rede social com as famílias. Ela enviava mensagens às esposas, filhos e amigos, contando que os clientes haviam feito programas com ela e que, não tinham pago. Também postava nos feeds, para expor os clientes.

Bonita, ela, que é carioca, foi para o Rio Grande do Sul, em 2014, onde trabalhava como garota de programa. Seus clientes eram localizados através do Facebook, e nas ruas.

Gabi tinha um apartamento onde realizava seus programas, e cobrava de R$ 300,00 a R$ 1.000,00. Segundo o R7, ela possuía até máquina de cartão de debito e credito para facilitar o pagamento dos clientes. Gabi também trabalhava em uma rede Online (cameraprive.com/br/gabi-souza), onde atendia os clientes via chat.

Publicidade

Uma denúncia fez com que a polícia investigasse o caso por um mês, até localizar a travesti indo para o cabeleireiro. Gabi foi detida e levada para a delegacia para prestar esclarecimentos. Ela será acusada de extorsões e agressões, e responderá ao processo em liberdade. #Crime #Casos de polícia