A justiça brasileiro solicitou novamente o bloqueio do aplicativo de mensagens #WhatsApp. O aplicativo não cumpriu uma decisão judicial de quebra de sigilo para investigar pessoas ligadas a diversos crimes.

A juíza Daniela Barbosa do Rio de Janeiro que deu a determinação.

As operadoras de telefonia foram notificadas da decisão por volta das 11h30 e precisam suspender imediatamente a utilização do serviço.

Essa é a terceira vez que o aplicativo será desativado no Brasil por não cooperar com a quebra de sigilo.

O Facebook se limitou a responder, segundo a juíza, por meio de uma nota em inglês, dizendo que não arquiva e não copia mensagens compartilhadas entre os usuários.

Publicidade
Publicidade

E pediu informações sobre esta investigação que está sob sigilo.

WhatsApp multado

Em outubro de 2015, o aplicativo foi multado em cerca de R$ 19 milhões por novamente dificultar a quebra de sigilo de traficantes de drogas. Naquele período, o aplicativo não saiu do ar e apenas a empresa foi multada.

O aplicativo

O WhatsApp é um aplicativo para celulares que permite aos seus usuários ao redor do mundo a troca, em tempo real, de mensagens, vídeos e fotos, seja de forma particular ou em grupos. Estima-se que somente no Brasil tal aplicativo já conta com mais de 30 milhões de usuários. A empresa foi comprada em uma das maiores transações da história, pelo Facebook, pelo valor de US$ 19 bilhões.

Mensagens Criptografadas

O aplicativo utiliza uma tecnologia de criptografia de ponta a ponta em suas mensagens, o que significa que somente usuários envolvidos naquela conversa têm acesso às informações, o que impossibilita o rastreio dessas informações.

Publicidade

É essa tecnologia que não agrada a justiça brasileira. Nem mesmo os EUA conseguiriam quebrar o sigilo das suas conversas. Somente a empresa dona WhatsApp possui a "chave secreta".

No Brasil, sabe-se que os criminosos utilizam esse meio de comunicação para trocarem mensagens e áudios, evitando o famoso grampo telefônico. Segundo a justiça, isso atrapalha as investigações policiais.  #Celular #Internet