Decoro parece que tem sido uma palavra esquecida no Senado Federal. Na noite desta quarta-feira,13, houve um forte bate boca entre os Congressistas Ronaldo Caiado, eleito pelo Democratas de Goiás, e Lindbergh Farias, do Partido dos Trabalhadores do Rio de Janeiro. Durante a discussão, Caiado cita que é médico e insinua que seu rival estaria sob uso de drogas. A briga, no entanto, começou por conta do reajuste fiscal para os servidores públicos. Ronaldo argumentou que não é o momento de dar esse aumento porque o Brasil está passando por uma forte crise e que esse dinheiro acaba saindo dos bolsos dos próprios brasileiros. 

Antes de ser praticamente chamado de drogado, o petista que defende a permanência da presidente afastada Dilma Rousseff no poder, chegou a dizer que Caiado era um "cara de pau", pois supostamente no passado teria defendido inúmeras pautas bombas.

Publicidade
Publicidade

Para Farias, que já foi prefeito de Nova Iguaçu no passado, é necessário ter alguma coerência para se discutir política e que Caiado não estaria tento. 

Foi então que Caiado começou a dizer que o petista deveria apresentar um comprovante de como vai apresentar, sugerindo uma espécie de "antidoping". Em seguida, ele fala sobre a forma física de Lindbergh. Para Ronaldo, as pupilas de Farias estão dilatadas demais e ele estaria salivando demais. As declarações irritaram a bancada petista do Senado.

Muitos Congressistas, como Vanessa Grazziotin, do Partido Comunista do Amazonas, saíram em defesa do "amigo". O presidente do Senado, Renan Calheiros, do PMDB de Alagoas, acabou se vendo obrigado a paralisar a sessão. Por alguns minutos, ali continuaram discutindo os Senadores. Nos bastidores da casa, já se fala até que o episódio pode acabar parando no Conselho de ética.

Publicidade

Será mesmo que é necessário?

Veja abaixo o vídeo em que Caiado insinua que Lindbergh seria usuário de drogas. A publicação tem provocado muita polêmica e é usada por blogs e grupos políticos que não concordam com o posicionamento do Partido dos Trabalhadores (#PT). 

#Governo