Depois de passar alguns dias na cadeia e ser liberado no último domingo (10), o pastor Felipe Garcia Heiderich, de 35 anos, acusado de abusar de seu enteado, que hoje tem 5 anos de idade, divulgou um vídeo. Na gravação, ele aparece de cabeça raspada e fala sobre as acusações.

Ele começa dizendo que achava que todos eram inocentes, até que alguém provasse que não e disse que viveu o contrário disso. O pastor contou que ficou chocado com a acusação de abuso e que tinha uma família feliz até 12 de junho.

Segundo ele, o enteado de 5 anos foi a criança que ele mais amou na vida e que ajudou a criar. No relato, conta que ela falou que tinha descoberto que ele era homossexual e pedófilo.

Publicidade
Publicidade

Depois, pegou o filho e foi para um hotel. “Eu não soube lidar com essa situação”, disse o pastor, que conta que ficou em choque ao pensar que o menino que ele ama estava sendo abusado por alguém.

A tentativa de suicídio também foi abordada por ele. Segundo o relato do pastor, ele queria dormir. Por isso, pegou um calmante e tomou alguns comprimidos que, segundo ele, era menos de um quarto do vidro. “Queria dormir, dormir”, contou.

Felipe ainda relata que chegou a perguntar se Bianca Toledo não dava para ele a opção da dúvida e indagou se ela não ia querer ouvir se tudo “era um plano de Satanás". Ele segue lamentando que a vida mudou e que foi julgado sem o benefício da dúvida.

O pastor Felipe Garcia Heiderich pediu perdão à igreja de Deus e disse que a sua foto foi estampada pelo mundo como a de um pedófilo.

Publicidade

Conta ainda que foi aplaudido por policiais e presidiários ao deixar a prisão. Ainda de acordo com o relato do pastor, o único laudo existente sobre o abuso diz que ele é inocente.

Prisão após acusação de Bianca Toledo 

Embora Felipe Heiderich precisasse sair da penitenciária com tornozeleira eletrônica, devido a crise no Rio de Janeiro e a falta dela, ele está livre sem ser monitorado. O homem, acusado de abusar de uma criança de cinco anos, está sendo investigado. O inquérito policial segue sob sigilo.

#Crime #Investigação Criminal #Casos de polícia