O Padre Fábio de Melo fez um sermão em 2007 abordando o tema de violência doméstica contra as mulheres. Um trecho do vídeo foi publicado no Twitter e compartilhado por vários internautas que manifestaram sua indignação pelo seu conteúdo. Durante a pregação o sacerdote afirma que a vítima é agredida por autorizar seu agressor a fazer isso, afirmando que seu jeito de ser que determinará se a violência irá terminar ou não. Não adiantando gritar nem dizer para não ser agredida.

Vários internautas consideraram que as declarações do padre foram machistas e misóginas. Para eles o líder religioso estava culpando a vítima pelos abusos.

Publicidade
Publicidade

Ele passou a responder os comentários na rede social, dizendo que na verdade estava querendo incentivar mulheres a denunciar seus agressores, que eles só iriam parar a partir do momento em que elas reagissem, com atitudes e não com palavras.

Fábio acredita que o silêncio contribui para que a vítima continue sofrendo abusos. De acordo com a declaração que deu ao BuzzFeed Brasil ele nunca acreditou que a culpa era da vítima, mas que ela colabora com as agressões caso se silencie diante da violência. Ao final ele pediu desculpas, dizendo que talvez não tenha se colocado bem, pois na verdade ele sempre lutou pelos direitos humanos e que aquele vídeo é de quase 10 anos atrás, que durante esse período ele amadureceu muito, mas continua lutando pela defesa da mulher e dos menos favorecidos. 

Ele ainda twittou pedindo perdão, que nunca quis culpabilizar as vítimas, que acha essa prática abominável.

Publicidade

Que sua linguagem no vídeo foi inadequada. Também se mostrou surpreso com a repercussão da postagem criticando sua postura, pois acreditava que todos já soubessem suas opiniões sobre os direitos das mulheres. Ele relatou que cresceu em ambientes onde as minorias sempre estavam em sofrimento e que nunca se esqueceu disso, por isso se dedica até hoje a defendê-los em seus discursos, tendo esse pensamento como postura de vida e de pregador do evangelho de Jesus Cristo. #Igreja #Religião