Um caso chocante de violência abalou os moradores da cidade de Itacaiu, distrito de Britânia, no estado de Goiás. O caseiro Brunno Vieira de Souza, que foi preso após criar baderna durante uma festa local, após uma partida de futebol amador, foi absolvido pela Justiça. Durante a briga com os policiais, seu pai, Ismael Pereira de Souza, desarmou um dos policiais que estava realizando a prisão e atirou contra ele pelas costas. O sargente Silva, como é conhecido dentro da sua corporação, chegou a ser socorrido pela emergência, mas não sobreviveu.

Além dele, o policial Hélio ficou ferido, atingido por um tiro no abdome. Durante o confronto, ele reagiu e trocou tiros com o pai do prisioneiro, o que causou a morte de Ismael.

Publicidade
Publicidade

Toda a ação foi gravada e está circulando na internet. O 'Jornal Nacional' da TV Globo exibiu as cenas na abertura de sua programação, chocando os brasileiros. São ouvidos, pelo menos, 18 disparos de diversas armas. Assista às imagens. (Cuidado! CONTEÚDO FORTE)

Entenda o crime

A libertação do filho do assassino do policiais causou revolta nas redes sociais e também na cidade. Durante a confusão, Brunno se recusou a ser levado por policiais e parentes dele tentaram impedir a ação, agarrando os oficiais de forma agressiva e desesperada.

Durante o tiroteio, formou-se uma aglomeração no local. Muitas pessoas, convidados da festa, se esconderam ou tentaram se proteger, jogadas no chão.  Alguns veículos que estavam perto foram atingidos pelos tiros.

Tudo começou quando vizinhos ligaram para a polícia reclamam de som alto na localidade até altas horas da noite.

Publicidade

Ele era o dono do automóvel que estava com o som alto e se recusou a abaixar. Durante o confronto, Souza ficou ferido e chegou a dizer durante o vídeo que foi atingido na perna. Após ser detido e passar por atendimento médico, foi solto pela polícia.

Brunno deixou o presídio da região por decisão da Justiça, que entendeu que ele não atirou nos policiais, e sim seu pai, que veio a falecer. Alguns veículos de comunicação, como a Folha de São Paulo, tentaram entrar em contato com a defesa dos criminosos, mas não tiveram sucesso. #Crime #Investigação Criminal #Casos de polícia