A Revista Veja publicou na noite desta terça-feira, 12, uma grave denúncia contra o deputado federal Rogério Rosso, eleito pelo  PSD do Distrito Federal. Testemunhas teriam confirmado ao site da publicação que o principal candidato a disputar a vaga do deputado Eduardo Cunha (PMDB - RJ) na presidência da câmara estaria em um vídeo em que aparece recebendo propina. Pelo menos duas pessoas confirmaram as informações à Veja. O vídeo, no entanto, não foi publicado pelo site, o que causou a estranheza de muitas pessoas. 

As imagens mostrariam Rogério Rosso recebendo dinheiro do ex-secretário do #Governo do Distrito Federal, Durval Barbosa.

Publicidade
Publicidade

Apesar de não mostrar o vídeo com o recebimento do dinheiro, a Veja exibe o nome dos dois denunciantes. Elas são o deputado federal Alberto Fraga, eleito pelo Democratas do Distrito Federal, e o ex-gerente da Codeplan, Luiz Paulo Costa Sampaio. O homem que daria o dinheiro para o parlamentar já é velho conhecido de investigadores da Polícia Federal. Isso porque ele já é conhecido como o delator do mensalão. Além das duas testemunha citadas pelo site de uma das maiores publicações do país, outras pessoas também garantem que assistiram às imagens. 

Fraga revelou que o vídeo não é de agora e quem mostrou para ele foi o próprio Durval. Além do próprio deputado, existiria outra publicação mostrando a mulher do político recebendo dinheiro irregular. O nome dela foi identificado pela Veja como Kátia.

Publicidade

As imagens teriam sido guardadas nos últimos seis meses. 

A estranheza do fato ter aparecido só agora gerou debate nas redes sociais. "Gente, vocês não acham estranho esse vídeo só agora ter aparecido essa suposta publicação", disse uma internauta, que ficou abismada com a suposta revelação. Muitas pessoas levaram tal fato as redes sociais. Veja abaixo outro comentário polêmico sobre mais esse episódio brasileiro. 

"A gente não pode mais confiar em ninguém. São todos corruptos. Até quem a gente menos imagina rapidamente aparece envolvido em mais uma ação corrupta", disse outra pessoa.  #Crise migratória