O #Crime aconteceu no início deste mês, e o corpo do policial militar Rodrigo Federizzi havia sido encontrado domingo (24), porém sem os membros inferiores. Nesta última terça-feira (16), Ellen Federizzi, que confessou ter matado o marido, indicou aos peritos do Instituto Médico Legal (IML) o local onde estariam enterradas as pernas do mesmo.

Em vídeo divulgado pela polícia, é possível ver a ré contando com detalhes como teria cometido o crime, e o motivo de ter cortado as pernas do PM. Alerta: os relatos podem chocar os espectadores mais sensíveis. Veja o vídeo:

Nas cenas, a acusada aparece com semblante calmo e narra onde estaria a cova.

Publicidade
Publicidade

No local, foram encontrados dois sacos pretos, cada um contendo uma das pernas do marido morto. Rodrigo estava desaparecido desde o dia 28 de julho; o corpo encontrado possuía um disparo por arma de fogo na cabeça, e encontrava-se sem as pernas. A mulher, que está detida desde quarta-feira (10) como principal suspeita, confessou o crime e diz-se arrependida de ter cometido o ato.

As partes do corpo do policial foram encontradas por intermédio da própria Ellen, que indicou que os membros estariam perto da Lagoa do Passaúna, em Araucária, Curitiba, nas proximidades do local onde também foi encontrado o resto do corpo. Segundo a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa, que investiga o caso, ela teria premeditado o crime. A mulher do PM teria ido até ao local, que é uma área cheia de arbustos, com um carro, cavado uma cova rasa e enterrado os dois membros inferiores no mesmo ponto.

Publicidade

Os investigadores puderam confirmar a narrativa da esposa de Rodrigo, ao encontrarem no local indicado os dois sacos pretos iguais aos que tinham sido relatados pela mesma. Para a DHPP, a principal suspeita é mesmo responsável pelo crime.

Nos relatos dados à polícia, Ellen teria matado o marido enquanto ele ainda dormia, no dia 28 de julho. O assassinato aconteceu à noite, e a acusada ainda teria dormido na mesma cama com o corpo até à manhã seguinte, quando resolveu enterrar as partes que tinha esquartejado. As informações dadas pelo filho do casal, de apenas 10 anos, foram confirmadas: o tiro ouvido pela criança na noite do crime foi mesmo o que ceifou a vida do PM. O crime teria acontecido após uma briga do casal, segundo as investigações, que ainda não confirmaram essa versão dada pela moça.

A sequência do crime ainda não foi reconstruída, mas em breve será possível ver quais foram as malas e a pá usadas para enterrar o corpo. A mulher teria enterrado as partes do corpo em locais diferentes, pois teria ouvido barulhos quando estava enterrando o tronco da vítima. O crime foi descoberto após o sumiço de Rodrigo e o achado de respingos de sangue no banheiro do casal. As investigações continuam e a acusada pode pegar mais de trinta anos de detenção. #rodrigofederizzi #Investigação Criminal