A cuidadora, de 22 anos, é acusada de agredir um adolescente de 17 anos deficiente. O menino sofre de paralisia cerebral e precisa de cuidados integrais. O crime aconteceu no município de Ubajara, em Fortaleza, e só foi descoberto através de imagens das câmaras de segurança instaladas na casa pela família. A mulher aparece no vídeo aparentemente trocando a roupa da criança após ter dado banho na mesma. Nas cenas é possível ver que na tentativa de trocar as fraldas do menino, ela o agride, abrindo excessivamente as suas pernas. Além disso, ela é flagrada dando tampas e o impedindo de respirar através de golpes na cabeça.

A Delegacia Regional de Tianguá (4ª região) que investiga o caso já está com as imagens para a averiguação e abriu inquérito contra a agressora.

Publicidade
Publicidade

A família da vítima declarou à polícia que a babá já cuidava da criança há cerca de três anos e meio. O menino que já nasceu com paralisia cerebral sempre precisou de cuidadores para que fosse olhado. Os responsáveis pelo adolescente começaram a desconfiar da mulher quando marcas arroxeadas apareceram pelo corpo do adolescente, além de pequenas feridas. Foi quando a família resolveu instalar câmeras pela casa para que fosse feito o flagrante e esclarecido se as agressões de que suspeitavam realmente estavam acontecendo.

Apesar da desconfiança de que algum tipo de maus tratos pudesse estar acontecendo, a tia, Daniela Monteiro, que é a principal responsável pelo adolescente, ficou extremamente chocada com a brutalidade e falta de humanidade da babá. O jovem que se comunica através de pequenos sons e olhares começou a dar indícios de que estava sofrendo algum tipo de violência.

Publicidade

Segundo a tia, ele tinha mudado o comportamento nos últimos meses, apresentava o semblante mais triste, estava mais arredio e irritado em momentos como o banho, por exemplo.  

A polícia já intimou e ouviu a cuidadora que confessou os maus tratos. Ela relatou que trabalhava para a família desde 2012, e que sofria violência verbal por parte dos patrões e que, por isso, agredia a criança como forma de vingança. Ela será indiciada e deve ser presa pelos crimes. Segundo a polícia, o que a jovem praticava era tortura, uma vez que asfixiava a criança. A jovem fica à disposição da Justiça para a continuidade da investigação. #Crime #Investigação Criminal