Um protesto por educação controverso está dando o que falar nas redes sociais. O ato que teria ocorrido no dia 02 na escola estadual Júlio Pardo Couto, na cidade de Praia Grande, no litoral do estado de São Paulo, gerou indignação e revolta. Fotos mostram o momento em que os alunos da unidade educacional ateiam fogo em plena sala de aula. Apesar da iniciativa criminosa e perigosa, os estudantes acabaram se dando bem, já que nenhum deles ficou ferido. O caso mostra como a educação no Brasil está precária e como muitas vezes os pais deixam o trabalho de educar seus filhos para os professores.

O caso ganhou grande repercussão após um post feito no Facebook pela fanpage 'Prai Grande Mil Grau', que reivindica melhoria na região que dá o nome do sítio na rede social.

Publicidade
Publicidade

 De acordo com informações do portal de notícias G1, o fogo foi colocado inicialmente nas cortinas do local, mas se espalhou. A Diretoria Regional de Ensino de São Vicente revelou ao portal de notícias da Globo que o fogo também  atingiu algumas carteiras que estavam no local. As fotos do incidente mostram o risco que os estudantes manifestarem colocaram contra si mesmo e também contra os colegas da escola em que deveriam estudar. 

A Secretaria de Educação do Estado de São Paulo disse ao portal G1 que as chamas acabaram sendo controladas. O trabalho do controle do fogo foi bastante rápido e feito pelos próprios profissionais da escola, não deixando ninguém ferido. Infelizmente, atitudes como essa são bem comuns nas salas de aula, especialmente em periferias, locais onde a educação é mais necessária para se mudar de vida na sociedade.

Publicidade

Dessa vez, o protesto controverso acabou com uma sala de aula com prejuízos em sua estrutura. 

A direção da E.E. Júlio Pardo Couto revelou ao portal da Globo que fez uma reunião com os alunos e os pais. O objetivo é discutir o que fazer depois do ato. Medidas cabíveis devem ser tomadas. Além disso, tudo o que foi quebrado será concertado. Não há informações sobre penalidades para os alunos.  #Crime #Investigação Criminal