O #Crime aconteceu nesta quinta-feira (11) na cidade de Chapecó, em Santa Catarina, por volta de 20h. Aline Lubah, de 30 anos, teria sido assassinada brutalmente na própria casa pelo ex-namorado. Horas antes a jovem teria ameaçado seu ex-companheiro através de uma rede social, o que teria culminado na sua morte. O motivo teria sido vingança e desentendimentos ao longo dos anos.

A mulher foi esfaqueada de maneira cruel. Apesar dos socorristas terem chegado ao local rapidamente e levado a jovem ao Hospital Regional do Oeste, a mesma não resistiu aos ferimentos e morreu antes de chegar à Unidade de Pronto Atendimento. Ela teria sido atingida por três golpes de faca, sendo que um deles acertou o membro superior esquerdo, e os outros dois o tórax.

Publicidade
Publicidade

A Polícia Militar ainda investiga o assassinato, mas já prevê que o principal suspeito pode ser o ex-namorado da vítima. Ele foi visto saindo da casa da mesma logo após o crime ter acontecido, segundo relato dos moradores próximos. Apesar de ainda morarem no mesmo terreno, os dois teriam se separado não faz muito tempo.

A Central de Flagrantes de Chapecó abriu inquérito para investigação. Esse já é o 25º crime notificado na região de Chapecó. A jovem se desentedia constantemente com o até então companheiro, que já tinha registrado queixa contra ela esse ano. Os dois trocaram ofensas pelas redes sociais e Aline teria ameaçado o ex-companheiro de morte chamando-o de ‘bocó’. Disse também que iria mandar matá-lo para que o mesmo parasse de ver a filha dela. O homem respondeu na mesma hora que a vítima não teria coragem, e que se realmente fosse fazer alguma coisa já teria aparecido ao vivo para acertar as contas com ele.

Publicidade

O suspeito, que ainda não foi localizado pela polícia, disse ainda que iria procurar a polícia, mas parece que resolveu agir com as próprias mãos horas depois da publicação. O corpo da vítima foi encaminhado para o Instituto Médico Legal para que sejam analisados os ferimentos, realizada a autópsia e só assim liberado para que seja feito o velório. Aline era mãe de uma criança de quase dois anos de idade. Os familiares não se pronunciaram sobre o acontecido. #Casos de polícia