A britânica Charlie Webster, de 33 anos, que é uma famosa apresentadora de televisão em seu país, contraiu uma forma rara de malária. Tudo indica que ocorreu durante uma viagem de bicicleta realizada pela apresentadora ao norte do Brasil. Ela já havia participado de uma viagem de bicicleta pelo Reino Unido e no início desse mês no Brasil em ambas com o objetivo de arrecadar fundos para a caridade.

Charlie, que veio ao Brasil por ser embaixadora da delegação do Reino Unido nas #Olimpíadas Rio 2016, segundo informações publicadas no jornal The Guardian, começou a passar mal no dia 6 de agosto, logo após a abertura da cerimônia dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade

Ela foi levada à emergência ao hospital São Lucas, no Rio de Janeiro, e de imediato os médicos suspeitaram que estivesse com uma severa desidratação e também uma infecção e após realizarem alguns exames, confirmaram que a apresentadora britânica tinha contraído um tipo raríssimo e perigoso de malária.

No mesmo dia em que chegou ao Hospital São Lucas, a embaixadora da delegação do Reino Unido fez postagens no Instagram, informando sobre sua condição de saúde, e as postagens seguiram acontecendo até o dia 9 de agosto, desde então nada mais foi postado pela ex-apresentadora das redes Sky e Itv. Foi divulgado pela imprensa britânica que o estado de saúde dela teria se agravado muito em decorrência de uma infecção bacteriana causada pela malária e segundo o jornal The Sun, Charlie Webster, estaria em coma induzida.

Publicidade

Um amigo da apresentadora britânica teria relatado em uma postagem na rede social Instagram, na última quinta-feira (11), que a situação de saúde da embaixadora da delegação do Reino Unido teria piorado bastante, e também declarou a publicação da Veja, que ela está  batalhando pela vida. Seria essa situação ocorrida com Charlie, mais um dos "desastres" anunciados dessas Olimpíadas do Brasil? Ou apenas um fato que poderia ter acontecido em qualquer período e por qualquer pessoa que estivesse em turismo no país? #Rio2016 #Doença