Polícia Civil do Rio de Janeiro abriu inquérito policial para averiguar uma denúncia de assédio sexual cometida pelo pugilista Jonas Junias da Namíbia, contra uma camareira a qual não teve o nome divulgado. A delegada Carolina Salomão, da 42º DP, decretou a prisão do atleta no último domingo (7) e agora pretende ouvir o treinador do atleta, o qual estava presente em seu quarto e não tentou impedir o abuso. De acordo com o depoimento da vítima, ela limpava o quarto do atleta ele teria lhe agarrado por trás e dado lhe um beijo no pescoço. A camareira ainda conta que após se esquivar do ataque o pugilista começou a lhe oferecer dinheiro para transar com ele. 

Em nota, a embaixada da Namíbia afirma que não irá se pronunciar a respeito do caso.

Publicidade
Publicidade

Os organizadores dos jogos Rio 2016 afirmaram que o assunto não lhe dizem respeito. Uma vez que trata-se de um caso de polícia e afirmam que não irão acompanhar o caso de perto. De acordo com a delegada Carolina Salomão, este já é o segundo caso envolvendo estupro em três dias. Uma vez que na última sexta-feira (05), um pugilista do Marrocos também foi preso acusado de assediar duas camareiras dentro da Vila Olímpica. Embora o atleta negue deverá permanecer preso até a conclusão do inquérito.

Segundo o depoimento das vítimas elas afirmaram que o boxeador marroquino Sada, teria abordado as duas pedindo informações. Quando as mulheres entraram em seu quarto para ver do que se tratava foram agarradas por ele. Após o incidente, ambas resolveram chamar a polícia para registrar boletim de ocorrência contra o agressor.

Publicidade

O #boxeador foi levado até 42ºDP onde teve a prisão decretada indiciado pela prática estupro. A delegada Carolina Salomão espera que os dois casos sirvam de exemplo para os demais atletas.

Segundo o código Penal do Brasil, é considerado crime de estupro qualquer tentativa de manter uma relação conjugal carnal sem o consentimento da outra pessoa. Por isso qualquer ato com a intenção da prática sexual sem o consentimento do parceiro(a) é considerado estupro. #Olimpíadas #Esporte