O caso aconteceu em Cuiabá, quando uma criança de apenas dois anos deu entrada na Policlínica do Coxipó, na última quinta-feira (25). O menino chegou na unidade de saúde e apresentou uma parada cardiorrespiratória, ocorrida uma hora após ele ter ingerido um achocolatado da marca ‘Itambé’.

Nesta segunda-feira (29), a Anvisa publicou uma notificação no Diário da União, na qual determina o recolhimento oficial do lote do achocolatado, o qual terá a comercialização proibida por 90 dias em todo território nacional.

A mãe do menino, uma mulher de 28 anos, prestou queixa na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa e segundo o que ela contou, o menino bebeu o achocolatado por volta das 9h de quinta-feira (25) em sua própria casa, que fica no bairro Parque Cuiabá.

Publicidade
Publicidade

Alguns minutos depois, ele começou a sentir-se mal, fazendo com que a mãe o levasse ao serviço de emergência.

À polícia, a mãe contou que o menino estava resfriado há dois dias, mas não apresentava nenhum sintoma a mais do que uma simples coriza. Logo após ingerir a bebida, ele começou a sentir muita falta de ar e dar indícios de desmaio. Na policlínica, a criança foi atendida e os médicos tentaram de tudo para reanimá-lo. Depois de uma hora de muitas tentativas, os profissionais não obtiveram sucesso e o menino faleceu.

Tanto a mãe como também um tio do menino, chegaram a beber um gole do achocolatado e ambos também sentiram náuseas e tonturas. O tio chegou a ser atendido em uma unidade de saúde, mas depois se recuperou. A mãe do menino disse que o achocolatado foi doado por um vizinho, o qual não foi encontrado para prestar maiores esclarecimentos.

Publicidade

Para dar conclusão às investigações, a polícia apreendeu algumas caixas da bebida suspeita que estavam na residência da família da vítima, onde algumas embalagens já estavam vazias por terem sido consumidas. As amostras agora vão ser examinadas no Laboratório Forense da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), junto com as amostras colhidas do estômago do menino que foram coletadas durante a necropsia.  

O lote do achocolatado que foi interditado da marca Itambé é referente aos produtos fabricados na data de 25 de maio deste ano, com validade até 26 de novembro de 2016. Segundo a empresa, as bebidas referidas já estão no mercado há mais de 10 anos e nunca houve qualquer relato de problemas referentes ao produto. A Itambé ainda afirmou que realiza de forma regular, provas de seus produtos em laboratórios e que possui prioridade em preservar a qualidade dos mesmos. #Investigação Criminal #Casos de polícia #Morte