Graças a pessoas que têm grande senso de ajudar aos mais necessitados, as ONGs - conhecidas organizações não-governamentais - foram criadas. Cada uma com um tipo de acolhimento e apoio sempre em prol dos mais excluídos de nossa sociedade. Essas organizações, em sua maioria, não têm ajuda financeira do governo e sobrevivem apenas do trabalho voluntário das pessoas e de doações diversas de alguns empresários.

A ONG carioca Caritas, que acolhe refugiados de toda parte do mundo, teve a iniciativa de criar uma campanha nas redes sociais para recebimento de doações de utensílios para crianças de 0 a 4 anos. Nessa fase da vida, a criança cria um vínculo grande com o mundo exterior e é de extrema importância que ela tenha um contato real com tudo que está ao seu redor.

Publicidade
Publicidade

Tal iniciativa se deu pelo aumento da procura, por parte de mulheres refugiadas da República do Congo, no continente africano, por alguns itens para seus filhos.

Mas um pedido em especial revelou que a situação desses refugiados é extremamente precária. O casal Ezequiel Pindu e Raquel Pindu tem três filhos e, no momento, vivem um drama financeiro. Um de seus filhos estava usando um saco de lixo como fralda e causou grande comoção entre as pessoas. Raquel, que está desempregada, procurou a ONG para pedir ajuda, pois somente o marido trabalha no momento como frentista.

Segundo o diário Extra, o casal contou que tinha uma vida estabelecida no seu país de origem, mas, devido à violência, resolveram tentar a sorte no Rio de Janeiro. Atualmente, a família mora no bairro Jardim Camacho, na zona norte da cidade.

Publicidade

As pessoas que puderem ou quiserem fazer qualquer tipo de contribuição como fraldas, berços, lenços umedecidos, roupas em bom estado de conservação, brinquedos, calçados de qualquer tipo, carrinhos de bebê entre outros objetos para os pequenos nessa faixa etária, podem acessar o site da instituição (http://caritas.org.br/) e agendar sua doação. A campanha já tem o apoio de todos os portais de notícias do Brasil, e conta com a colaboração de quem puder ajudar. #Comunicação #Comportamento