O #Crime aconteceu em março de 2011, no estado de Goiás, em Setor Bueno. Márcia Zaccarelli Bersoneti, de 37 anos, foi detida por matar a filha recém-nascida e ocultar o corpo por cinco anos dentro de seu próprio apartamento. O delito teria acontecido em uma praça pública, logo que a mulher saiu da maternidade na época. As investigações da Polícia Civil indicam que a professora teria cometido o crime uma vez que a criança foi gerada a partir de uma relação fora do casamento.

Além de confessar o crime, Zaccarelli deu detalhes da execução, como relata a delegada Ana Cláudia Stoffel, responsável pelo caso, na Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios.

Publicidade
Publicidade

Há cinco anos, a mulher teria recebido alta do hospital no qual realizou o parto, um dia depois do nascimento da filha. Ao sair, se direcionou para uma praça pública e ficou sentada lá alguns minutos, antes que cometesse o atentado contra a criança. A recém-nascida foi asfixiada. A professora pegou o cadáver, colocou na bolsa e levou para casa, e o escondeu por todos esses anos.

A criminosa teria escondido toda a gravidez e pagado o parto com dinheiro emprestado por um amigo de trabalho. Não realizou, portanto, acompanhamento de pré-natal, que é disponibilizado pelo Sistema Único de Saúde a todas as gestantes do país de forma gratuita. A situação mostra-se ainda mais bizarra, uma vez que Márcia teria contado para o marido da suposta gravidez e o mesmo teria mandado ela ‘dar um jeito’ para acabar com a gestação.

Publicidade

O marido, que também prestou depoimento, nega essa versão dos fatos, e diz que a suposta conversa não teria acontecido. Apesar de ter cometido o crime, a mulher não teve coragem de descartar o corpo.

O corpo foi descoberto, pois o agora ex-marido voltou ao apartamento da mulher para pegar alguns pertences que tinham ficado no local, e achou uma caixa onde estava o corpo da criança. Imediatamente, o homem contatou a polícia, que começou as investigações. Márcia diz ter pensado jogar o corpo fora, mas ficou com dó de descartá-lo no lixo, dizendo estar arrependida do crime que cometeu. A professora, que tem uma filha de 12 anos, foi agora presa em flagrante, indiciada por ocultação de cadáver e homicídio, segundo a delegada responsável pelo caso. #Casos de polícia