Suzane von Richthofen completa em novembro 14 anos presa. Condenada por ter matado os pais a pauladas, ela virou uma das presidiárias mais conhecidas do Brasil. Noiva e já com casamento marcado para abril do ano que vem, a loira sonha com o  dia em que será esquecida pela mídia. Ela diz querer montar uma família e trabalhar com uma confecção de costura. Se algumas pessoas acreditam que Suzane se regerou, existem psicólogos que dizem que ela tem um perfil manipulador.  O egocentrismo também chamou a atenção de especialistas. Mesmo assim, por "bom comportamento", a bela mulher ganha desde o ano passado o benefício de sair da cadeia em algumas datas comemorativas.

Publicidade
Publicidade

Na última vez que ela deixou o presídio de Tremembé, nesse mês, a presa pôde comemorar o 'Dia dos Pais' com o noivo. Os moradores da região viram o casal chupando sorvete e fazendo compras. A loira pôde voltar à penitenciária cheia de roupas novas. Há quem não tenha saudades de Suzane. Em 2014, por exemplo, ela viveu um relacionamento homossexual com outra detenta, Sandra Ruiz, a 'Sandrão'. Musculosa e grande, 'Sandrão sempre colocou medo nas demais colegas de presídio, sendo uma espécie de "maioral" no local. Richthofen, visando se proteger, chegou perto e acabou virando a namorada de Sandra. 

No entanto, sua ex-companheira apesar de trazer o respeito das demais mulheres da cadeia, também  trazia problemas. Autoritária, Sandrão não tinha o mesmo comportamento da namorada.

Publicidade

Suzane sempre sonhou com a liberdade e pensa até em fazer faculdade. Isso foi fundamental para ela usar um novo plano, dessa vez sem o romance homossexual que gerou grande repercussão no país.

As duas namoradas chegaram até a dar entrevistas juntas para programas de televisão, como foi o caso do apresentador Augusto Liberato, da TV Record. “A Su é um enigma. Nunca se sabe o que está sentindo de verdade. Ela desgraçou minha vida", disse Sandrão em uma entrevista que faz parte de uma matéria especial publicada neste domingo, 28, pelo site do MSN.  #Crime #Investigação Criminal