No quesito vergonha internacional, a Olimpíada do Rio de Janeiro já é medalha de ouro. Nesta terça-feira, 02, por exemplo, o Galvão Bueno americano, o apresentador e narrador Bob Costar, nome mais conhecido do esporte da NBC, não amenizou os problemas da cidade brasileira que recebe a Olimpíada. "O COI [Comitê Olímpico Internacional] deveria, em meio a tantos problemas, ter mudado de sede ou adiado a Olimpíada", disse ele sem meias palavras durante um seminário sobre críticos de televisão. O narrador já está na cidade maravilhosa, de onde vai cobrir o evento para o público americano, que é muito fã nos jogos. Os Estados Unidos costumam ficar no primeiro lugar geral das medalhas.

Publicidade
Publicidade

Isso só não aconteceu nas últimas décadas na Olimpíada de Pequim.

Segundo o Galvão Bueno dos Estados Unidos, a emissora dele seria a principal fornecedora de dinheiro para o COI. Pelos direitos de exibir os jogos, ela teria pago mais de um bilhão de dólares. O valor é seis vezes maior, por exemplo, do que foi pago pela Rede Globo de Televisão. É bom lembrar que patrocinadores dos jogos acabam tendo um desconto nos pagamentos. A Globo também ajuda o COI na transmissão do próprio evento. 

Entre os principais problemas apresentados por Costas, ele elencou a questão do Zika Vírus, além de atrasos em instalações dos jogos, poluição da natureza e etc.  Para o profissional da mídia, nem mesmo o prefeito do Rio, Eduardo Paes, do PMDB, acreditava no grande sucesso de seu evento, dizendo que a Olimpíada não resolveria todos os problemas da cidade.

Publicidade

Paes ainda chegou a dizer para os turistas não esperaram uma Nova York ao visitarem o Rio. 

Antes mesmo da abertura oficial do evento, o Rio foi alvo de críticas de comitês regionais, como o da Austrália. A entidade disse que a vila dos atletas, por exemplo, era inabitável. Os esportistas chegaram a ir para o hotel, depois voltaram. Na volta, eles enfrentaram o prédio que pegou fogo e furtos. A delegação também tem atletas em quarentena por uma doença misteriosa.  #Governo #Rio2016