Fernando Ferreira, de 54 anos, foi preso no dia 12 de agosto, acusado de estupro na cidade de Santos, no litoral de São Paulo. O suspeito, que é HIV positivo, está acusado de ser o responsável por abusar sexualmente de diversas crianças, como dizem as investigações da Polícia Civil. O homem, que foi detido após uma denúncia anônima feita à polícia, confessou os crimes cometidos. Após serem determinados os mandatos de busca e apreensão, uma das vítimas foi identificada e deve passar por exames de corpo de delito, além de visita clínica para confirmar se não terá sido contaminada pelo vírus da Aids.  

O acusado aliciava as crianças através de brinquedos e jogos eletrônicos que foram apreendidos pela polícia.

Publicidade
Publicidade

Ele também mantinha conversas com os menores de idade através do WhatsApp, e as mensagens serão analisadas pela justiça. Além disso, ele perseguia e fotografava as vítimas sem que elas se dessem conta. Várias imagens foram encontradas no computador pessoal do suspeito, assim como fotografias de pedofilia explícita e vídeos pornográficos.

Fernando tinha se mudado para Santos há pouco tempo, com o intuito de trabalhar como auxiliar de serviços gerais de um prédio. Foi nessa ocasião que ele terá conhecido uma das vítimas. Os abusos aconteciam nos quartos de sua própria residência. Depois que o homem foi preso, várias supostas vítimas foram até a Delegacia de Defesa da Mulher para denunciar e reconhecer o suspeito.

Fernando está sob custódia da polícia e ficará em prisão temporária por trinta dias, prazo que pode ser estendido para mais um mês.

Publicidade

Segundo as investigações, o acusado já havia sido condenado pela Justiça, em 1994, a seis anos de prisão, também pelo #Crime de abuso sexual.

A família de Fernando compareceu à delegacia para levar o coquetel que ele necessitava por conta do vírus HIV. Todas as possíveis vítimas deverão ser orientadas com relação à contaminação pelo vírus da Aids e já devem iniciar o tratamento profilático após exames comprobatórios. O suspeito está à disposição da Justiça e pode ser condenado a até trinta anos de prisão. #Investigação Criminal #Casos de polícia