A marimba poucas vezes foi tão pesada para os líderes religiosos quanto agora. Depois do Ministro das Relações Exteriores, José Serra, do PSDB, anunciar que retiraria os passaportes diplomáticos de nomes como R.R. Soares, chegou a vez do Ministério Público Federal atuar em outra questão, a do papel das concessões televisivas e os programas religiosos. que acabam passando de maneira considerada ilegal. Por serem concessões públicas, os canais não deveriam privilegiar uma ou outra #Religião em sua grade, pior ainda, jamais venderem espaços alocados de terceiros. 

Como sabemos, a economia de grandes canais hoje é movimentada justamente pelos cultos religiosos.

Publicidade
Publicidade

Milagres são transmitidos ao vivo e muita oferta é pedida. Existem até atrações disfarçadas de produtos normais, como o 'Fala Que Eu Te Escuto', que debatem temas polêmicos e tentam ser atuais. No entanto, essas atrações sempre tem a participação de pastores, que oram desde um copo d'água, até dão sermões em quem assiste a Record, canal que transmite o produto da Igreja Universal do Reino de Deus, que não por acaso também é dono da TV Record. 

De acordo com informações do jornalista Flávio Ricco em reportagem publicada neste sábado, 13, a iniciativa do Ministério Público para avaliar os programas religiosos foi tomada pelo procurador Sérgio Suiama, do Ministério Público. Ele abriu uma investigação contra a despropositada ocupação religiosa nas grandes redes de televisão. Agora os canais vão ter que comprovar se os produtos são terceirizados, alocados ou apenas publicidade. 

A legislação federal garante que nenhuma emissora possa ter mais do que 25% de seu tempo comercial com propagandas.

Publicidade

Essa média geralmente é feita entre às 8 da manhã e termina à meia noite. Por isso, algumas emissoras aproveitam para encher as madrugadas com os cultos, como faz a Record, que chega a ficar mais de três horas consecutivas com os religiosos no ar. Bandeirantes e RedeTV! também fazem o mesmo. Dependendo da ação, nomes como Edir Macedo podem perder os espaços e ficar sem pedir doações na TV.  #Michel Temer