De acordo com artigo publicado pelo site de notícias Terra, nesta quarta-feira, dia 03, uma médica participante do programa do governo federal #Mais médicos teria sido estuprada dentro de um posto de saúde na cidade de Capoeiras, no interior do agreste pernambucano. O fato teria acontecido na última segunda-feira, dia 1º de agosto. De acordo com o relato dos policiais civis daquela localidade, todos as providências já foram tomadas no sentido de se prestar todo o tipo de assistência à vítima e diligências estão sendo feitas para que o acusado possa ser identificado e preso.

O episódio de extrema #Violência teria acontecido no interior da única unidade de saúde daquela localidade e no exato momento em que se encontravam apenas a profissional de saúde, de origem cubana, e uma funcionária.

Publicidade
Publicidade

Armado apenas de uma faca, o criminoso teria anunciado o assalto  e investido de forma ameaçadora contra as vítimas. Ele teria então trancado a auxiliar dentro de uma sala e depois violentado a médica dentro do próprio consultório. Após consumado o ato, ele fugiu levando os celulares das vítimas.  

Após prestar depoimento às autoridades locais, o polícia declarou que já está em campo com a intenção de capturar o estuprador e assaltante. O delegado Flávio Pessoa, responsável pelo caso, declarou que os trabalhos já estão em fase em adiantada e que consistirá em reunir todo o tipo de provas e evidências especificas para se identificar o acusado. Ele não quis se aprofundar nos detalhes para que a operação não possa ser prejudicada.

Após o lamentável episódio, o ministério da Saúde divulgou nota repudiando tal incidente e afirmou que todos os procedimentos que também são utilizados em pacientes do SUS vítimas deste crime estão sendo adotada com a profissional.

Publicidade

Eles fazem parte de toda a assistência que o governo brasileiro pretende prestar à vítima e inclui exames para a detecção de algum tipo de infecção ou doença de origem sexual. Além disto, ela deverá tomar medicamentos em caráter de urgência para se evitar uma possível gravidez. Segundo as informações do órgão, outra medidas deverão ser adotadas como transferência da médica para outra cidade. #Casos de polícia