Aparentemente, os atletas são recordistas em mais modalidades do que se imaginava. A situação em que ficou a rede de esgoto sanitário da Vila Olímpica após a partida dos atletas sugere que eles aproveitaram bastante o tempo nas sensuais terras tupiniquins, famosas no exterior por muito sol e belas mulheres.

O número de camisinhas usadas que foram descartadas direto nos vasos sanitários dos dormitórios na Vila Olímpica foi tão grande que quase levou o sistema de esgoto ao colapso em apenas 19 dias de jogos.

Os coletores de resíduos sólidos do Eixo Olímpico - que têm a função de reter esses resíduos antes que eles cheguem à tubulação - estavam abarrotados de preservativos que haviam ficado presos em suas grades, e, por pouco, não acabaram realmente causando problemas.

Publicidade
Publicidade

A informação foi compartilhada pelo site O globo, na Coluna gente Boa.

Hábitos estrangeiros

A questão é que certos países, como Inglaterra, Estados Unidos ou França tem um costume que pode parecer estranho para nós: eles não jogam o papel higiênico ou absorventes usados no lixeiro, mas sim dentro do vaso sanitário e então é só dar descarga! - aparentemente, o mesmo é feito com os preservativos. Em uma cultura bem diferente da nossa, jogar esse tipo de resíduo na lixeira para depois ter que manuseá-lo pode ser encarado com algo bem nojento.

500 milhões de camisinhas foram compradas com dinheiro público

Outro fato digno de ser mencionado sobre o acontecido é que, assim como diversas outras gentilezas oferecidas aos atletas, os preservativos também foram comprados com o dinheiro público.

No total, foi cerca de meio milhão de camisinhas fornecidas pelo Ministério da Saúde, que vieram nas boas vindas aos atletas acompanhadas da frase "celebre com camisinha" escrita em três línguas diferentes.

Publicidade

Um caso semelhante aconteceu no ano de 2007, durante os jogos Pan-americanos. O problema é que, daquela vez, o prédio argentino realmente chegou a ter seus esgotos entupidos de camisinhas, causando um certo transtorno na Vila Pan. #Olimpíadas #Corrupção #Comportamento