O Ministério da Saúde está lançando, nesta semana em que é comemorado o dia dos pais, duas cartilhas que têm o objetivo de que as famílias vejam o quão importante é o acompanhamento preventivo para a #Saúde dos homens.

Ricardo Barros, Ministro da Saúde, informou, nesta quinta-feira (11), que foi criado um projeto que tem o objetivo de aumentar o atendimento aos homens na rede pública de saúde no Brasil. Segundo ele, o homem procura menos o serviço de saúde, pois eles trabalham mais que as mulheres.

Segundo Ricardo, essa é uma questão de hábito. Ele disse acreditar que o homem trabalha mais, por ser provedor das maiorias das famílias brasileiras, e, por isso, não tem tempo para cuidar preventivamente da saúde, e isso precisa mudar.

Publicidade
Publicidade

Segundo o ministro, a intenção é capturar esses homens para que façam exames e cuidem da saúde. A finalidade dos guias é ajudar os servidores públicos a orientar os homens, que, na maioria das vezes, não estão em casa, por estar trabalhando.  

A afirmativa de Ricardo contradiz os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio- PNAD, do ano de 2014, que mostra que as mulheres trabalham uma média de 5 horas a mais que os homens semanalmente, incluindo o serviço feito em casa. A jornada doméstica é de 20,6 h semanais para a mulher, contra 9,8 h para os homens. Levando em conta as duas jornadas, a classe feminina trabalha 56,4 h semanais e a masculina, 51,6. 

Plano anunciado

No evento, foi divulgada a formulação de duas cartilhas: “Homem que se cuida curte todas as fases da vida de seus filhos – pré-natal também é coisa de homem!” e “Diagnóstico: homens morrem mais que mulheres e doenças que mais matam podem ser prevenidas”.

Publicidade

 Segundo a pasta, dois de cada três adultos que falecem por causas externas, são homens. 

O Ministério da Saúde quer aproveitar a presença dos homens que acompanham as esposas grávidas nos pré-natais, e que estão mais sensibilizados, para convocarem a cuidar de si mesmos. As cartilhas serão entregues pelos agentes comunitários de saúde. 

Segundo um levantamento, o homem vive 7,3 anos a menos que a mulher, e os que possuem idade entre 20 e 59 anos, são as maiores vítimas de mortes relacionadas a doenças de circulação e do aparelho digestivo. Segundo o estudo, 31% dos entrevistados informaram não buscar atendimento em postos de saúde e 55,1% informaram nunca terem precisado do serviço. 

Alguns estados do Brasil já realizam esse atendimento combinado aos homens, o chamado “#pré-natal do homem”, que faz parte de uma orientação voltada à saúde do homem, desde o ano de 2009. Os estados que já adotam esta estratégia são Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Distrito Federal, e segundo pesquisas já tiveram uma redução significativa na necessidade de encaminhamento destes pacientes à rede de saúde. Até dezembro deste ano, 800 profissionais da área da saúde passarão por capacitação nos Estados e no Distrito Federal.  #sistema de saúde