Por causa de um celular, mais uma pessoa é assassinada de forma cruel e a mulher estava bem na frente da escolha em que o filho estuda, aguardando-o para irem juntos para casa. O #Crime aconteceu em Porto Alegre e mostra a fragilidade da segurança pública no Rio Grande do Sul, que tem registrado índices alarmantes de #Violência nas últimas semanas.

A mulher assassinada foi à escola buscar o filho e agora está morta, um crime bárbaro que chocou o país inteiro. O governo gaúcho informou que já está tomando providências para garantir a segurança da população, mas os crimes continuam acontecendo não só em Porto Alegre, mas por todo o estado gaúcho e as pessoas não se sentem mais seguras para saírem de casa.

Publicidade
Publicidade

A vítima, Cristine Fonseca Fagundes, de apenas 44 anos, na última quinta-feira (25), estacionou o carro bem próximo à escola onde o filho estuda. Acompanhada da filha adolescente, de 17 anos de idade, a mãe estava esperando pelo outro filho, um garoto de 10 anos. Subitamente, três criminosos chegaram, sendo que um deles estava armado e pediu o celular. A mãe não reagiu, pegou o celular e entregou aos bandidos, mesmo assim o que estava com a arma disparou um tiro que acertou a cabeça da mulher que veio a óbito no mesmo instante, morrendo ali, ao lado da filha adolescente que encontra-se em estado de choque.

A polícia já conseguiu capturar um dos bandidos, mas outros dois conseguiram fugir e ainda não foram capturados. José Ivo Sartori, governador do estado, já avisou que estará viajando para Brasília onde tem uma reunião marcada com o presidente em exercício, Michel Temer e também com Alexandre Morais, ministro da Justiça, onde fará uma solicitação para ter ajuda da Força Nacional de Segurança.

Publicidade

Sem conseguir resolver a situação do caos em que se encontra a segurança em Porto Alegre, Wantuir Jacini, secretário da Segurança Pública, pediu exoneração do cargo e um novo gabinete será criado, de acordo com o governador, para combater a crise de frente, tendo como coordenador o vice-governador, José Paulo Cairoli. #Casos de polícia