O suposto assalto sofrido por atletas da Natação dos Estados Unidos já é tratado como mentira ou pelo menos história mal explicada. Nesta quarta-feira, 17, as autoridades de nosso país surpreenderam e ordenaram que os nadadores americanos Gunnar Bentz e Jack Conger saíssem de um voo internacional da America Airlines. Ambos estavam indo para a cidade de Atlanta. A retirada dos esportistas de dentro do avião foi realizada pela Polícia Federal. O pedido de retirada dos nadadores da aeronave, segundo informações do jornal Extra, acabou sendo feito por investigadores da Polícia Civil. Eles descobriram que os esportistas sairiam do Brasil após relatarem o estranho assalto. 

De acordo com a TV Globo, até às 22h30 no horário de Brasília, os atletas continuavam a prestar depoimento na Delegacia Especial de Apoio ao Turismo (Deat).

Publicidade
Publicidade

Eles fizeram um registro de ocorrência ao lado de Ryan Lochte e James Feigen, no qual disseram terem sido assaltados por um ladrão, que curiosamente teria deixado que eles ficassem apenas com os celulares e as credenciais da Vila dos Atletas. Um vídeo gravado seis horas depois do suposto #Crime, no entanto, mostra os atletas com vários pertences nas mãos, como relógios, sorrindo e voltando à Vila dos Atletas na madrugada. 

Após o vídeo, a Justiça decidiu retirar os passaportes dos atletas, impedindo que eles saiam do Brasil. Eles agora podem responder por falsa comunicação de crime, o que pela legislação brasileira pode dar até cadeia. No entanto, especialistas acreditam apenas que a punição será mesmo a do vexame pelo fato de terem sido descobertos. O caso já ganhou grande repercussão nos Estados Unidos.

Publicidade

Os esportistas da #Natação não tem qualquer previsão para voltar para casa. Eles estão sem passaporte e tecnicamente não tem como irem aos Estados Unidos. 

Ryan Lochte acabou se dando bem e voltou ao seu país de origem a tempo de não ser impedido de desembarcar. A família dele já deu entrevistas dizendo que não entende porque tanta polêmica está a acontecer no Brasil.