Não tem tempo ruim para o presidente americano Barack Obama, que decidiu dar uma ajudinha a Michel Temer, que ocupa o cargo de chefe de estado interinamente no Brasil. A inteligência dos Estados Unidos escalou mais de 1.000 espiões norte-americanos para realizar a segurança nos Jogos Olímpicos que começam oficialmente nesta sexta-feira, 05, no Rio de Janeiro. A informação foi dada pela rede americana NBC News. O principal objetivo da estadia dos espiões é proteger os atletas e as delegações contra possíveis atentados e manifestações, especialmente as políticas programadas pelo Partido dos Trabalhadores (#PT) e grupos que defendem a presidente afastada Dilma Rousseff. 

 

Os seguranças terão o objetivo de prever tudo o que possa atrapalhar os atletas do país de Obama.

Publicidade
Publicidade

Uma mostra de como serão os jogos no Brasil aconteceu hoje cedo em frente ao Copacabana Palace, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Manifestantes pró-Dilma fecharam as pistas e tentaram impedir o revezamento da tocha. O símbolo olímpico acabou passando por outro local e os manifestantes não conseguiram estragar a animação dos cariocas. 

A rede americana divulgou o que diz ser um relatório confidencial. Ao todo, dezessete agências de inteligência daquele país estão no Brasil. Não é só o efetivo de segurança que veio ao Rio de Janeiro, mas também até ajuda humanitária, caso os jogos possam ser afetados. Os agentes estão prontos com satélites espiões e muito controle cibernético e eletrônico, acompanhando também todas as principais mídias sociais e veículos de comunicação brasileiro. 

Apesar do Brasil negar que seja um alvo de terrorismo, atualmente, para todos os países do chamado "primeiro mundo", não existe cidade que não esteja alvo de grupos como o Estado Islâmico, especialmente depois do crescimento dos chamados "lobos solitários".

Publicidade

A mídia americana deixa claro que os agentes dos Estados Unidos estão trabalho em conjunto com as forças brasileiros. Ambos estão trocando informações para ajudar que a cidade do Rio flua. 

  #Michel Temer