Sônia Paula Soares Marinho, de 39 anos, foi presa na última sexta-feira (19), no bairro São José, em Campina Grande, no agreste da Paraíba. Ela foi presa em flagrante após cometer um #Crime bárbaro contra o seu próprio filho, Kaio Márcio Soares Nóbrega Marinho, de apenas cinco anos.

Na delegacia, a mulher fez uma afirmação que espantou os policiais, “Sou a princesinha de Satanás”, poucas horas após desferir mais de cinquenta facadas, e decepar o órgão genital do seu próprio filho.

No momento em que Sônia cometia o bárbaro crime contra o garoto, ao escutarem os gritos de Kaio, vizinhos acionaram a Polícia. De acordo com Agentes do Centro Integrado de Operações Policiais em Campina Grande, (CIOP), que atenderam a ocorrência, ao chegarem à residência, que fica localizada na Rua Teixeira de Freitas, a mulher ainda estava com a arma branca utilizada para cometer o crime, uma faca do tipo peixeira.

Publicidade
Publicidade

Conforme as informações, a mulher residia sozinha com o seu filho, em um quarto alugado (local onde ocorreu a barbárie).

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, (SAMU), ainda chegou a ser acionado, mas não teve chances de salvar o garoto, já que ao chegar, deparou-se com a vítima já sem vida. Informações apontam que a maior parte das facadas foram desferidas no pescoço do menino.

Não se sabe ao certo a motivação de tamanha crueldade. Laudo psicológico deverá dizer se a mulher estava transtornada mentalmente, ou se o crime ocorreu espontaneamente. Hipótese de que ela esteja ligada a alguma crença satânicas, devido às frases ditas pela mulher, não são descartáveis.

Quando estava sendo conduzida para a Delegacia, a mulher gritava; “Vocês vão pagar um alto preço por isso, meu pai é o rei, o grande El Shaddai.

Publicidade

Eu te obedeço, meu pai”. Os policiais relataram que ela estava fora de controle.

Vizinhos relataram que o garoto era autista, e uma criança carinhosa. A mãe deverá responder por pelo crime de homicídio qualificado, estando sujeita a uma pena que pode variar de 12 a 30 anos de prisão. #paraiba #Violência