Uma criança de apenas 9 anos, de nome Arthur Bobsin, morreu enquanto estava capturando os monstrinhos virtuais do jogo de realidade aumentada, o #Pokémon Go. Ele estava junto de um amigo em um barco com o propósito de capturar pokémons, mas o barco em que eles estavam acabou virando perto da margem. O fato aconteceu nessa última segunda-feira (8), no litoral norte do RS. Depois do acontecimento, passaram-se algumas horas até que o corpo da criança fosse encontrado no período da noite.

O amigo que estava ao lado de Arthur no momento do acidente conseguiu se salvar. Segundo a polícia, até esse momento, o que há de concreto nesse caso é que os dois estavam sozinhos nesse rio, sem a presença de nenhum adulto.

Publicidade
Publicidade

Isso teria contribuído para que os dois não conseguissem obter sucesso naquele momento e saírem da margem do rio. Há também a suspeita de que os dois não sabiam nadar, o que contribuiu significativamente para que Arthur se afogasse. A polícia, no entanto, ainda está analisando as provas que estão sendo colhidas através do depoimento do amigo da criança morta e do local onde aconteceu o acidente.

Atualmente, o caso está na Delegacia de Pronto Atendimento de Tramandaí, que fica localizada no Litoral Norte do Rio Grande do Sul. A Polícia Civil de Imbé, no entanto, estará com a incumbência de investigar o caso.

O Pokémon GO acabou de chegar ao Brasil, depois de muitos pedidos feitos pelos brasileiros e também de alguns turistas que aqui estão para prestigiarem os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Publicidade

Algumas celebridades, no entanto, já haviam afirmado que não estavam gostando da chegada desse joguinho de realidade virtual aumentada porque, como é o exemplo do que falou o apresentador global Faustão, o Pokémon GO estaria trazendo riscos para a segurança dos brasileiros.

Até o momento, no Brasil, o jogo tem tido grande aceitação por parte dos brasileiros e tem causado muito burburinho na mídia pelo fato de que esse aplicativo estaria facilitando um suposto aumento nos roubos de celulares nas grandes cidades brasileiras.