Há uma acusação contra a #Igreja Universal de que ela estaria obrigando seus pastores - e também os bispos -, a se submeterem a #vasectomia, cirurgia que esteriliza permanentemente os homens, pois impede que espermatozoides sejam liberados.

A informação foi publicada na coluna da jornalista Mônica Bergamo, do jornal A Folha de São Paulo, e também informa que a igreja precisará agora se explicar perante a Justiça.

O Ministério Público do Trabalho de Osasco está com caso e busca agora juntar provas contra  a Igreja Universal para poder então entrar com uma ação civil pública.

O caso

A história toda teria começado porque o tribunal de Justiça  condenou a instituição a pagar o valor de R$ 150 mil como indenização a um pastor, que alegou ter sido obrigado a se submeter a uma vasectomia, pois esse procedimento cirúrgico é que o tornaria apto a exercer um cargo de liderança na igreja.

Publicidade
Publicidade

Ele então entrou com um processo e ganhou a causa.

O que a Igreja Universal diz

A Igreja Universal teria afirmado, por meio de seus representantes legais, durante uma audiência, já saber que existem outros processos contra ela, dez processos, para ser mais objetivo. Apesar disso, houve uma negativa por parte da instituição em assinar  um termo de compromisso cujos termos levam à que seja interrompida a exigência de que seus membros (pastores e bispos) sejam obrigados a se submeter à prática de esterilização. Segundo a instituição, o negativa ocorreu porque essa exigência não existe.

Mas, apesar disso, a instituição teria reconhecido que considera verdade que filhos atrapalham o objetivo da igreja, de "propagar o evangelho", mas que cabe a seus pastores essa decisão - de ter ou não ter filhos -, e que a igreja não interfere nisso.

Publicidade

Foi também usado como justificativa o fato de que vários casais [da igreja] têm filhos. "A acusação é desmentida facilmente pelo fato público e notório de que grande parte de nossos bispos e pastores têm filhos", afirmou, por meio de nota, a Igreja Universal.

Diante de tantos escândalos que têm sido divulgados, não é de se duvidar que isso seja verdade. Afinal, há ainda 10 processos contra a igreja - isso deve dizer alguma coisa.

  #Polêmica