O policial militar Rodrigo Federizzi foi encontrado domingo (14) em uma cova rasa na área rural de Araucária, na região metropolitana de Curitiba. O corpo do PM, que estava desaparecido desde o dia 28 de julho, foi encontrado com um disparo por arma de fogo na cabeça, as pernas cortadas e dentro de sacos plásticos, segundo a identificação do Instituto Médico Legal. O homem ainda portava na mão esquerda a aliança gravada com o nome da esposa.

A mulher do militar, que foi detida quarta-feira (10) é a principal suspeita de ter cometido o assassinato. Ela, que teria dado uma versão inicial dos fatos, mudou o pronunciamento nesta segunda-feira (15) e confessou ter matado o marido.

Publicidade
Publicidade

Contou inclusive detalhes da execução, segundo o delegado da Divisão de Homicídios responsável pelo caso.

Foram ouvidos também os pais da moça, que disseram não entender as motivações do crime, já que o casal aparentemente não tinha problemas conjugais nem financeiros. Segundo o advogado da família, a prisão de Ellen na quarta passada foi uma surpresa para todos que eram mais próximos dela. Os progenitores da mulher estão muito abalados e em estado de choque. Disseram à polícia que não acreditam que a filha possa ter cometido um ato tão cruel, e nem a razão do acontecido. Eles alegam ainda que ela possa ter sido vítima de uma armação, já que o relacionamento dos dois era supostamente muito tranquilo. Os pais do PM, que também não se pronunciaram para a imprensa, ainda não conseguem compreender o que aconteceu.

Publicidade

O casal estava junto há dez anos, tinham um filho de nove e levavam uma vida tranquila em Curitiba. Segundo o advogado, a criança já sabe sobre a morte do pai, mas ainda não lhe foi revelada a condição em que ocorreu a morte e nem que a mãe é a principal suspeita do #Crime. O menino será acompanhado por psicólogos para que seja dado todo o suporte necessário, além de encontrar a melhor maneira de revelar o ocorrido. A criança ainda foi ouvida pelos policiais e revelou que no dia ouviu um barulho de disparo, mas que a mãe o mandou brincar no parquinho depois disso, não sabendo informar mais detalhes sobre os acontecimentos. O corpo do soldado foi sepultado no Cemitério do Campo Comprido na manhã desta segunda-feira (15). #Investigação Criminal