De acordo com informações da Brigada Militar, o caso foi registrado na manhã da última terça-feira (30). Na ocasião, uma adolescente de 13 anos foi flagrada com uma submetralhadora dentro da mochila. O caso foi registrado na Escola Municipal de Ensino Fundamental Hugo Englemann, localizada no Bairro Liberdade, na cidade de Novo Hamburgo, a 80 km de Porto Alegre. A apreensão da arma foi realizada com o apoio da Guarda Municipal, que na ocasião teria sido notificada através de uma denúncia anônima.

Após comparecerem a escola, os agentes municipais resolveram realizar uma revista em alunos do 5º ano. Após ser flagrada com o armamento dentro da mochila, a menina foi levada junto com a mãe para delegacia mais próxima.

Publicidade
Publicidade

Em depoimento, a menor conta que a arma teria sido colocada dentro da mochila pela irmã, que é traficante.

Após prestar depoimento, mãe e filha foram liberadas logo em seguida. Contudo, a polícia informou que continuará investigando o caso. Em outro caso semelhante, dois alunos, de 12 e 13 anos, foram flagrados com uma faca e um revólver calibre 38, Segundo informações, as #armas estariam escondidos dentro de suas mochilas.

O caso foi registrado em uma escola estadual de Boa Vista, em Roraima. De acordo com informações do GTAM ( Grupo Tático Municipal da Guarda Municipal), os agentes teriam sido notificados por agentes do CIOPS (Centro Integrado de Operações de Segurança). Na ocasião, a guarda municipal teria sido acionada para comparecer ao local depois que os alunos foram flagrados disparando vários rojões dentro da escola.

A diretora da unidade contou que após abordar os estudantes na tentativa de encontrar explosivos, ela acabou encontrando muito mais do que simples rojões.

Publicidade

Após inspecionar as pastas dos alunos, acabou encontrando as duas armas, uma na mochila de cada um. Segundo os agentes do GTAM, os fogos de artifício não foram encontrados com os estudantes,, acredita-se que eles já haviam gasto todos os artefatos. Chamados para comparecer na escola, os pais dos garotos afirmaram não saber de onde os filhos haviam conseguido tais armas. Acredita-se que eles teriam recebido as armas de traficantes da região.

A diretora, por sua vez, acabou desistindo de registrar queixa na polícia. Segundo informações, o caso acabou sendo resolvido dentro da escola. Sendo assim, os adolescentes foram entregues aos pais e as armas foram repassadas a DDIJ (Delegacia da Infância e Juventude). Em nota, a secretário de comunicação do governo informou que o caso foi resolvido sem maiores problemas. Em breve, o colégio deverá repassar um relatório do caso para Coordenadoria de Educação do município, que deverá tomar as medidas cabíveis. #Crime #Casos de polícia