Após 27 anos de dedicação e amor aos #Animais, Bebel da Suipa, como era conhecida Izabel Nascimento perante os 150 funcionários da entidade, foi a voz e o nome da Suipa. Por isso, a notícia de sua morte chegou aos ouvidos de pouco mais de seis mil associados e adoradores de animais que ajudam a manter a ONG de proteção animal.

Izabel, aos 63 anos, foi encontrada morta, neste sábado (6), pela manhã em sua cama, no sítio onde morava, em Várzea das Moças, em Niterói, por uma funcionária da Suipa. Ela era divorciada e não tinha filhos. Não se sabe a causa mortis, mas segundo Paulo Rodrigues, ex-marido, suspeita-se que ela tenha sofrido um infarto enquanto dormia.

Publicidade
Publicidade

"Ela era uma amante sem restrições dos animais, trabalhou como comissária da extinta Varig, durante muitos anos, mas acabou se aposentando ainda jovem por causa de uma lesão na coluna provocada por um acidente que sofreu nos Estados Unidos, há cerca de 20 anos. Desde então, passou a se dedicar inteiramente a Suipa.", conta Rodrigues.

Izabel Nascimento começou a frequentar a Suipa sempre que podia, com objetivo de levar alimentos para os animais.  Até que o presidente Alberto Pinheiro, então presidente da Suipa , convidou-a para fazer parte da diretoria da entidade, começando assim sua longa história na ONG. A arquiteta Silvia Rocha, vice-diretora Social da Suipa e voluntária há mais de 20 anos, assumiu interinamente até que a diretoria não se reúna para decidir se convoca nova eleição ou se algum membro assume a presidência.

Publicidade

Onde fica?

A Suípa fica instalada num terreno na avenida Dom Hélder Câmara, em Benfica, no Rio de Janeiro. A instituição perdeu, no governo Fernando Collor de Mello e Itamar Franco, os títulos de utilidade pública federal e de filantropia. Com a perda dos títulos, começou haver cobranças de impostos federais. Hoje, a ONG tem uma dívida tributária federal de 18 milhões e um déficit mensal de cerca de R$ 70 mil. Na última contagem feita em dezembro de 2015, havia 4.300 animais abrigados entre cães, gatos, cavalos e porcos. #Direitos Humanos