Não está nada fácil ser mulher nos dias de hoje. Seja nas grandes cidades, seja em povoados ou vilas, o estupro ainda é uma das principais causas de violência contra a mulher e o maior temor feminino.

Em Recife (PE), mais uma mulher entrou para as estatísticas de violência sexual. Câmeras de monitoramento viário instaladas em uma rua do bairro Parnamirim, na zona norte da capital pernambucana, mostram os minutos que antecedem o #Crime.

Nas cenas, registradas na última terça-feira, dia 16, aparece uma estudante de medicina de 29 anos estacionando o veículo em uma vaga próxima à casa de seu pai. Já havia escurecido e o horário marcado na tela do vídeo acusa 18h16.

Publicidade
Publicidade

 À espreita, escondido atrás de um poste, há alguns metros da universitária, está o criminoso aguardando o momento ideal para fazer a abordagem.

A jovem não conseguiu nem sair do carro e ele já partiu para cima dela, a ameaçou com uma faca e entrou no carro. Na rua de pouco movimento e sem pedestres, as ações passam totalmente despercebidas. Ele assume a direção e a leva para outro local, onde o ato criminoso é consumado.

Segundo a polícia, o marginal ainda obrigou a estudante a dirigir até a BR-101 Sul e também tirou fotos dela antes de libertá-la em uma rua próxima à Estação de Metrô da Avenida Antônio Falcão, em Boa viagem, zona sul de Recife.

Embora a violência tenha ocorrido antes das 19h, a vítima só foi encontrada por volta das 22h. O criminoso roubou os pertences da jovem universitária e ainda não foi localizado pelas autoridades policiais, que continuam investigando.

Publicidade

No último dia 17, foram feitas buscas para tentar encontrar o estuprador com base em uma área identificada a partir do rastreador do celular que o criminoso roubou da vítima.

A estudante foi levada para o Instituto Médico Legal (IML) no mesmo dia, onde passou por exames. Depois ela foi encaminhada para os serviços de saúde competentes, onde ocorreu a administração de coquetéis de medicamentos para combater possíveis doenças sexualmente transmissíveis.

#Casos de polícia