Com um excedente de mais de 3 mil operários na unidade fabril de São Bernardo do Campo, segundo dados informados pela própria Volkswagen, uma proposta formulada em conversas realizadas entre representantes da montadora e do sindicato da categoria foi aprovada após votação realizada na manhã desta terça-feira, 2 de agosto. 

Foi acordado entre as partes a estabilidade de emprego até 2021, renovação do Programa de Proteção do Emprego, novos períodos do chamado layoff (suspensão do contrato de trabalho de forma temporária), além da abertura do Plano para Demissões Voluntárias. 

Na opinião dos dirigentes do sindicato, o acordo é uma vitória se levada em consideração a atual situação econômica do país. Diante de uma queda de mais de 50% na produção esperada para este ano de 2016, a realidade da indústria automobilística na cidade de São Bernardo é desanimadora. 

O Programa de Demissão Voluntária espera uma adesão de 300 funcionários nos próximos meses.

Publicidade
Publicidade

A ideia é estimular aqueles que já têm mais de 25 anos de empresa e que estão perto de se aposentar. No programa, são oferecidos benefícios extras que normalmente não seriam pagos em uma demissão comum, por exemplo. Se a meta não for atingida, um grupo será encaminhado para um programa de recolocação. 

No caso do Programa de Proteção do Emprego, que possui aval do Ministério do Trabalho, existe a possibilidade de redução na jornada (e horas) de trabalho por tempo determinado, o que consequentemente afetará o salário mensal, porém sem a necessidade de demitir ninguém. 

Um ponto também importante do acordo realizado entre trabalhadores e empresa foi a fixação do valor da participação nos resultados e lucros da Volks. Em 2016, o mesmo será de R$ 11.800,00. Para o período de 2017 a 2021, o PLR será ajustado de acordo com a inflação. 

Em meio aos problemas com excedente de funcionários, a Volkswagen também enfrenta problemas com fornecedores o que vem causando paralisação na linha de produção não só em São Bernardo, mas também em Taubaté e S.

Publicidade

José dos Pinhais, no Paraná.  #Desemprego