Um #Crime chocou os moradores da cidade de Marechal Deodoro, na região Metropolitana de Maceió, em Alagoas. O corpo de um adolescente, de apenas 12 anos de idade, foi encontrado em uma clínica de reabilitação para dependentes químicos nesta terça-feira, 26 de setembro. Em matéria publicada pelo jornal Correio da Bahia, a morte teria sido motivada pelo fato de o garoto ter o hábito de se masturbar na frente dos colegas de tratamento.

Segundo a publicação feita no 'Correio', o adolescente identificado como Arthur Felipe morreu por asfixia na noite do dia anterior e no corpo foram localizadas também algumas perfurações. O delegado responsável pela investigação, Rodrigo Colombelli, esclareceu que o menino vivia na clínica onde fazia tratamento e dividia o quarto com quatro colegas.

Publicidade
Publicidade

Um deles relatou a um policial que Arthur tinha a mania de se masturbar na frente dos outros e que isso os irritava muito.

A vítima, de acordo com o delegado do caso, estava na clínica devido ao envolvimento com as drogas, mas a mãe de Artur nega essa versão e afirma que o garoto estaria lá porque apresentava problemas psiquiátricos. Colombelli informou que os quatro colegas de alojamento foram encaminhados para a delegacia e confessaram a prática do crime.

Para o delegado está confirmado que a motivação para o crime foi o hábito constante de se masturbar na frente dos meninos, fato que incomodava os companheiros de quarto. Foi apurado em depoimento que um dos quatro garotos já estava com a intenção de assassinar a vítima. O adolescente aplicou uma gravata em Arthur e chamou os outros três para auxiliar no assassinato.

Publicidade

Conforme relatou Rodrigo, a ação que se iniciou com o estrangulamento foi seguida de asfixia com um travesseiro. Os meninos ainda levaram a vítima para o banheiro e com um pedaço de lápis cortaram seu pulso. Eles ainda usaram um pedaço de vidro na prática do crime. Assim que sair a conclusão da perícia para confirmar a causa da morte, o caso será comunicado à #Justiça e ao Ministério Público. Por enquanto, os suspeitos permanecem à disposição da Justiça que definirá o futuro dos adolescentes. #Viral