Um post publicado nesta segunda-feira (26), no Facebook, está dando o que falar. Nele há uma foto e um vídeo com garotas, aparentemente menores de idade, ostentando armas como se fossem objetos valiosos. Até o momento da publicação deste artigo, o post já havia sido compartilhado mais de 1 mil vezes, e mais de 3 mil pessoas clicaram num dos ícones de interação (curtir, grr, triste).

No vídeo, as jovens dançam juntas ao som de reggae, cada qual segurando um revólver. Uma delas é a que está na foto com a adolescente de blusa amarela. A outra, de saia longa, parece ser um pouco mais velha. Ambas seguram na mão direita as armas, e na mão esquerda taças com bebida alcoólica.

Publicidade
Publicidade

Em um determinado momento, elas deixam as taças um cima de algum suporte, mas seguem com as armas, dançando e rodando.

Já na foto, elas fazem pose abraçadas e segurando, além das armas, uma garrafa do que parece ser um espumante. A garota de blusa amarela tem a fisionomia de uma adolescente com idade não superior a 13 anos.

O cenário onde tudo acontece é um apartamento. Pelo som é possível perceber que há no local uma pequena plateia. Ouvem-se risadas ao fundo. São, ao todo, 34 segundos de imagens.

No vídeo, que já alcançou mais de 1 milhão de visualizações até o momento, há muitos comentários. Alguns carregados de revolta, críticas e até insultos por conta do comportamento reprovável das jovens. Outros debatem a falta de educação no Brasil e a falta de acompanhamento, por parte dos pais, do comportamento dos filhos.

Publicidade

Para alguns internautas, a culpa é dos pais. Para outros, faltam oportunidades para os jovens aprenderem a valorizar mais o trabalho e a família.  E há aqueles que colocam a culpa nas leis frouxas e que protegem demais os adolescentes. Alguns mencionaram pena e outros indignação diante das imagens. Poucos elogiaram as cenas.

Não há informações sobre a identidade das meninas e o local onde vivem. O post foi postado na página de Túlio Isac, candidato a vereador em Goiás, mas não há confirmação de que o vídeo tenha sido realizado na cidade.

#Crime #Casos de polícia