Um vídeo que mostra a ousadia dos ladrões está dando o que falar no Paraná.

Ele registra um ambientalista sendo assaltado no exato momento em que fazia imagens para uma transmissão ao vivo, no Facebook.

 João Batista Moreira Souza, mais conhecido como João das Águas, foi vítima do #Crime em tempo real na tarde da última sexta-feira (23), em Londrina, no Paraná.

A polícia segue a procura do criminoso, mas ainda não há pistas de seu paradeiro, já que pelas imagens não é possível examinar as feições do criminoso.

As cenas mostram o marginal chegando com a arma em punho, já anunciando o assalto. É possível ouvir ele dizer que daria um tiro no ambientalista caso ele não passasse o celular.

Publicidade
Publicidade

O assaltante mantém a arma apontada para a cabeça da vítima. Com a intimidação, ele acaba levando dois celulares, o carro, uma blusa e R$ 200,00 do ambientalista.

O episódio ocorreu no bairro Jardim Universitário, às margens do lago Igapó 3. No momento em que é abordado, João criticava o governo municipal.

Ao término  do vídeo aparece um homem com camisa branca correndo em direção ao ambientalista. Neste momento o assalto é anunciado, que logo foi percebido pelos internautas, que acompanhavam em tempo real. . Nos comentários os internautas chegaram a escrever mensagens com palavras de pesar e solidariedade.

Após o crime, João das Águas desabafou na rede social e afirmou que não iria se amedrontar por causa do roubo, apesar do grande susto. Disse que, apesar do trauma, não deixaria a situação lhe dominar e que não se privaria de visitar os lagos e vales da região.

Publicidade

Para explicar o que tinha acontecido aos seus seguidores, o ambientalista ainda fez uma nova transmissão no Facebook.

Nesta nova comunicação, ele explica que estava fazendo um “ao vivo”, mostrando as dificuldades no entorno do Rio Igapó. Disse que é adepto do Yin-Yang, acreditando que todo o mal tem um bem. Não guarda rancores e lamentou o fato dos bandidos serem jovens, mas disse que amanhã eles podem se recuperar.

João das Águas disse ainda que após o assalto ficou meio aéreo, porém, entende que a situação perigosamente inusitada vai ajudar a alertar as autoridades sobre a violência londrina.

A Polícia ainda não conseguiu localizar o carro do ambientalista.

#Casos de polícia