Quanta irresponsabilidade tem sido vista no cuidado de crianças e adolescentes, e na maioria das vezes, praticada pelos próprios responsáveis pelos mesmos.

Um #Incêndio que culminou com a morte de um bebê revoltou a população de uma pequena cidade do interior mineiro, que possui pouco mais de 12 mil habitantes. Uma criança de apenas 11 meses de idade morreu carbonizada na noite desta terça-feira (20), na cidade de #Jacinto, região norte de Minas Gerais, por volta das 22h. O bebê se encontrava em sua casa, somente na presença de seu irmão, um menor de 14 anos de idade, quando ocorreu um incêndio. 

Os vizinhos da residência perceberam o incêndio e chamaram o socorro.

Publicidade
Publicidade

O fogo foi apagado pela população e por policiais militares da cidade, que atenderam a ocorrência. O menino de 14 anos conseguiu fugir e não se feriu no incêndio, já o corpinho do bebê foi encontrado carbonizado em meio aos destroços, até o telhado da casa chegou a cair, mostrando a gravidade da situação e do incêndio. 

O adolescente foi levado para casa de parentes e será ouvido pela Polícia Civil, que faz a investigação do acidente. Os meninos foram deixados sozinhos pela mãe, Santa Maria de Jesus, de 38 anos. Segundo a Polícia Militar, a mulher foi encontrada participando de um evento político da cidade e apresentava sinais de embriaguez.

A mãe dos meninos foi presa em flagrante e encaminhada para a delegacia da cidade vizinha, Almenara, que fica a 50 km de distância, para prestar depoimento.

Publicidade

Ela poderá responder pelo crime de abandono de incapaz, que resultou na #Morte do filho e se condenada pode pegar de 4 a 12 anos de reclusão.

O laudo do IML- Instituto Médico Legal- apontou a morte da criança como sendo por queimaduras de 3º grau, em quase 90% do corpo. A Polícia agora aguarda o laudo da perícia técnica, que esteve no local do incêndio, para saber as reais causas do incêndio.

Segundo informações de vizinhos, Santa Maria tinha o costume de sair para beber e deixar os dois filhos sozinhos e sempre voltava alcoolizada. Na residência moravam as três pessoas: a mãe, o filho de 14 anos e o bebê de 11 meses.