Um veículo da marca BMW, importando e voltado para as classes mais ricas da sociedade, acabou avançando nesta quarta-feira, 31 de agosto, contra a multidão que protestava contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). No momento do atropelamento, os petistas se concentravam na Rua Barão de Campinas, esquina com a Duque de Caxias, região central da maior cidade do país, São Paulo. 

De acordo com informações do site da 'Revista Veja São Paulo', em reportagem publicada nesta quinta-feira, 1º de setembro, pelo menos duas pessoas ficaram feridas na ação que ganhou grande impacto nas redes sociais.

Publicidade
Publicidade

Uma delas teve que ser levada de ambulância para um hospital da região. Não há detalhes sobre o seu estado de saúde. O carro e o motorista que fizeram o atropelamento não foram identificados.

Essa não foi a única confusão ou incidente registrada no dia histórico para o Brasil, em que Dilma foi deposta e em seu lugar assumiu o presidente em exercício Michel Temer, do PMDB. Houve também confronto entre a Polícia Militar e manifestantes. Uma luta corporal começou no horário em que é exibido pela TV Globo o 'Jornal Nacional'. O intuito da ação seria chamar a atenção da imprensa para  o que os militantes chamam de "golpe parlamentar".

No momento em que o ato descia por uma das mais famosas ruas da cidade, a Consolação, os agentes de segurança utilizaram bombas, balas de borracha e spray de pimenta contra os petistas.

Publicidade

Esses, por sua vez, também revidaram e utilizaram barricadas feitas com latas de lixo em chamas.  Até mesmo um carro da Polícia Civil foi depredado. As agências bancárias e lojas de luxo, no entanto, foram as preferidas para a depredação.

Segundo a Polícia, o protesto teve a ação de black blocks, grupo que ficou conhecido em todo o país em 2012, quando milhões de pessoas foram às ruas pedir que o transporte público tivesse um abatimento na passagem. Naquele período, cidades como o Rio de Janeiro aumentaram em R$ 0,20 a passagem, mas o serviço não melhorou.  #Manifestação #Dilma Rousseff