Em depoimento à Polícia Civil, um vigilante contou o que viu sobre o caso do catador de material reciclado morto após receber uma flechada, na tarde desta quarta-feira (14), em São Paulo.

Segundo a testemunha, houve uma discussão entre o catador, Aldemir Pontes, de 63 anos, e um homem oriental. Ele viu a cena quando dirigia sua moto. Contou que avistou um Peugeot de cor prata estacionado na via e, do lado oposto, o catador com a sua carroça. Os dois discutiam. Logo após a testemunha passar ao lado deles, viu o homem oriental apoiado na porta do carro com um instrumento com flecha, mirando exatamente a vítima, que segundos depois seria atingida no pescoço.

Publicidade
Publicidade

O vigilante achou a cena suspeita, mas seguiu seu curso. Depois de passar por eles, a uns 50 metros mais adiante, ele ouviu um barulho e resolveu voltar ao local. Foi então que o vigilante viu o motorista fugindo com o carro em alta velocidade. Não foi possível anotar a placa do veículo.

Ao ver a vítima caída, a testemunha ligou para os bombeiros. Porém, quando os paramédicos chegaram, ele já estava sem vida.

A ocorrência foi na Rua Mamoré, na região central de São Paulo, por volta das 15h30.

O catador era natural do Ceará, mas morava em Guarulhos, na Grande São Paulo, e costumava frequentar a região central de São Paulo. Os comerciantes das redondezas dizem que ele não criava caso com ninguém. 

Segundo contou sua filha à imprensa, recentemente o carroceiro havia deixado um quartinho onde vivia sozinho para viver em uma casa mais próxima de suas netas.

Publicidade

Abalada, ela não quis se se identificar.

O suspeito já foi identificado, Denis Young, de 34 anos, foi preso ontem (15).  A ocorrência foi registrada na 2ª Delegacia de Polícia de São Paulo, mas as investigações ficam a cargo da Delegacia Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Não é comum mortes no Brasil por meio de flechas, mas, em maio deste ano, uma mulher foi atingida com esse instrumento letal quando estava dentro de um ônibus, em Belém (PA). Felizmente, ela foi atingida no braço e não teve nenhum ferimento grave. O autor do disparo até hoje não foi identificado.

#Crime #Casos de polícia