O caso da criança que morreu após ingerir um #Achocolatado, da empresa Itambé, ganhou uma nova versão na manhã desta quinta-feira (01), depois que dois homens foram presos na cidade de Cuiabá, em Mato Grosso, suspeitos de ter envenenado a bebida que foi oferecida à criança.

O menino, de apenas dois anos de idade, morreu uma hora depois de ter bebido o achocolatado Itambezinho, em sua casa, na cidade de Cuiabá, na semana passada. A mãe da criança registrou um Boletim de ocorrência relatando que o filho começou a passar mal minutos após tomar a bebida e que ela e um tio do menino também tomaram o achocolatado e passaram mal.

Publicidade
Publicidade

No BO (Boletim de Ocorrência), registrado na delegacia, e no depoimento nesta segunda-feira (29), a família confirmou que tinham ganhado a bebida de um vizinho, mas que as embalagens estavam fechadas. O menino ingeriu a bebida por volta das 09h e minutos depois começou a passar mal e foi levado para a Policlínica do Coxipó, mas teve uma parada cardiorrespiratória e faleceu na unidade de saúde. 

A Polícia prendeu nesta manhã Adones José Negri, de 61 anos e Deuel de Rezende Soares, de 27 anos, acusados de estarem envolvidos com a morte do menino. Deuel teria furtado os achocolatados de um supermercado e Adones teria colocado veneno de rato na bebida antes de dá-la para a família de vizinhos. A Secretaria de Estado de Segurança Pública de Mato Grosso dará uma entrevista coletiva para a imprensa nesta tarde, onde esclarecerá o caso.

Publicidade

Recolhimento da bebida

Após a divulgação da morte da criança, que a princípio seria por causa do achocolatado, a ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária determinou que o lote da bebida fosse recolhido e proibiu a venda do mesmo por 90 dias, em todo o território brasileiro.

A empresa Itambé, que fabrica o achocolatado e está localizada em Minas Gerais, emitiu uma nota no início da semana, onde informava que após análise laboratorial interna, a equipe responsável não havia encontrado nenhum problema na composição do lote suspenso, mas que estavam à disposição para colaborar com a investigação da morte do menino.  #Envenenamento #Investigação Criminal