Nesta terça-feira, 27, uma foto de uma senhora de idade pedindo emprego através de um cartaz na principal Avenida do estado São Paulo, a Paulista, acabou viralizando nas redes sociais. A imagem foi publicada no período da tarde e já à noite tinha se espalhado feito pólvora no Facebook. De acordo com informações do site da Revista Veja, a mulher da foto é Tereza. Ela tem 72 anos e utiliza a tática - um marketing desesperado e até arcaico - para oferecer sua mão de obra. O objetivo dela é conseguir uma ocupação como passadeira ou diarista. Segundo o recado da idosa, ela cobra R$ 70 pela diária. Na foto, estão os contados da mulher. 

Em apenas algumas horas, a imagem da mulher que procura emprego acabou viralizando e sendo compartilhada por mais de mil internautas no Facebook.

Publicidade
Publicidade

A mulher que emocionou muitos brasileiros se chama Tereza Viega. Ela nasceu no Rio Grande do Sul e nunca teve a oportunidade de estudar. “Pedi para a vendedora de uma livraria escrever o cartaz pra mim. Tem algum erro?”, questionou a mulher que pretende conseguir um emprego e que não mede esforços para isso. Na crise econômica, o Brasil tem hoje mais de onze milhões de pessoas que procuram uma ocupação no mercado de trabalho. 

Tereza não mora com nenhum parente. Ela vive em um quarto de pensão no bairro da Barra Funda, na Zona Oeste da capital de São Paulo. Mesmo tendo colocado seis filhos no mundo, ela vive com muita dificuldade. Segundo ela, quatro dos herdeiros não moram em São Paulo, mas sim em outro estado. Ela diz que não pede dinheiro porque sabe que esse acaba, já o serviço permite que ela sempre tenha oportunidades.

Publicidade

 

De acordo com a idosa, depois que a foto foi divulgada na internet, uma mulher chegou a ligar e ofereceu uma máquina de costura. No entanto, ela recusou o presente, pois não sabe costurar e gosta mesmo de fazer faxina. Graças à divulgação, ela conseguiu uma casa para trabalhar. Todas as sextas-feiras ela tem uma diária, o que no mês já lhe rende R$ 280. 

A tradutora Alessandra Siedschlag criou uma vaquinha on-line para ajudar a idosa e apenas uma hora depois já havia arrecadado 3.000 reais.  #Crime #Investigação Criminal